Opinião: O esporte está, e será, cada vez mais interativo

O entretenimento tornou-se mais interativo do que nunca, levando o público a interagir com os eventos por meio de experiências de realidade mista e transformando a maneira como os clientes se comunicam com os artistas, jogadores e entidades esportivas. 

A indústria do esporte e entretenimento luta desde 2020 para entender como a pandemia alterou, e vem alterando, o comportamento dos fãs. Os hábitos dos consumidores foram profundamente modificados, e muitos fãs não deixaram de ir a locais lotados, mas com conteúdo adicional acessível no conforto de suas casas, permaneceram engajados. A dúvida agora é se esses fãs pretendem voltar e, se voltarem, como será o engajamento.

O envolvimento dos fãs tem sido um tema-chave para música, entretenimento e esportes, bem como para a indústria de e-Sports. Nos últimos anos, testemunhamos o rápido crescimento da convergência entre mídia social, streaming e jogos. 

A Twitch é um exemplo de como uma plataforma de jogos pode ser transformada em uma potência interativa de construção de comunidade. Em 2017, havia 750 mil espectadores de e-Sports na Twitch, mas até 2023 esse número deve disparar para 3,24 milhões. A plataforma mantém sua posição como um dos sites mais visitados nos EUA por meio de recursos de engajamento do usuário, como transmissão ao vivo, caixas de bate-papo e conteúdo interativo.

Usar uma estratégia clara de engajamento de fãs que se concentre na identificação e engajamento antes, durante e depois dos eventos pode aumentar a fidelidade à marca e gerar vendas adicionais. 

O que é o engajamento dos fãs no esporte?

O conceito de engajamento de fãs está relacionado a como celebridades, artistas, clubes esportivos e até jogadores de e-Sports se conectam com sua base de fãs. Quando uma entidade esportiva está interessada em construir uma base com seus seguidores, sua comunicação on-line pode desempenhar um papel vital na captação de fãs, aumentando seu engajamento e monetizando suas interações. A questão da monetização é, na verdade, um dos grandes dilemas de todas as plataformas digitais do mundo atual.

Pessoalmente, defendo que o envolvimento dos fãs de esportes e outros tipos de entretenimento tem muita relação com as questões relacionadas à conexão emocional que é criada entre a equipe ou o artista e os fãs. Se os fãs parassem de mostrar apoio deixando de comparecer a eventos e jogos, comprando produtos e artigos esportivos e compartilhando informações relacionadas a eventos nas mídias sociais, muitas equipes esportivas e artistas não teriam sucesso.

Embora a atividade e o comparecimento presenciais tenham mudado desde a pandemia, com tecnologias em constante expansão e potencial para aplicativos inovadores de engajamento de fãs, há mais espaço do que nunca para se conectar com os fãs. Engajamento de fãs não é simplesmente ter fãs comparecendo a eventos esportivos e musicais. Em vez disso, é o processo intencional de incentivar os fãs a participarem de todos os assuntos relacionados ao time ou ao artista. 

Gastar tempo muitas vezes é tão importante quanto gastar dinheiro

O engajamento dos fãs pode ser visto por meio da participação direta, por meio da compra de ingressos ou produtos, ou pode ser indireto, como quando um fã interage com um time, um artista ou com outros fãs por meio de mídias sociais ou várias outras plataformas. Quanto mais uma equipe ou artista fizer parte da vida cotidiana de um fã, mais valor eles atribuirão à marca dessa equipe ou desse artista, levando a um aumento na satisfação dos fãs, popularidade da marca e ganhos gerais.

Durante as próximas semanas, acompanhem minhas redes sociais. Lá, falarei um pouco mais do tema e abordarei sobre a importância do engajamento e o mercado. Basta seguir o fio em @fleurysportmkt.

Fernando Fleury é fundador da Armatore Market + Science e escreve mensalmente na Máquina do Esporte