arquivo

Nissan anuncia manutenção de time para 2021

por Redação - São Paulo (SP)
A
A

Tóquio 2020 foi adiado em um ano, mas os atletas que fazem parte do Time Nissan estarão cobertos pelo período. A estratégia da marca japonesa do Brasil, vigente desde 2012, terá pelo menos mais um ano. A companhia anunciou na terça-feira (29) a renovação com o grupo pelo período.

publicidade
publicidade

"A pandemia postergou o sonho dos nossos atletas, de fazer bonito nas arenas mundo afora. Contudo, seguimos firmes com nosso propósito e renovamos hoje o nosso patrocínio por mais um ano. Nosso objetivo é dar a eles toda a tranquilidade e segurança para se prepararem para as grandes competições que estão por vir”, explicou em nota o diretor de marketing da Nissan Brasil, Marco Pacheco.

publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

Time Nissan conta com 11 atletas olímpicos e paralímpicos e o mentor Clodoaldo Silva - Foto: Divulgação

publicidade

Atualmente, o grupo é formado por 11 atletas, entre olímpicos e paralímpicos, além de um mentor, Clodoaldo da Silva. A empresa exalta que, desde 2017, quando o atual grupo passou a fazer parte da estratégia da marca, já foram conquistadas mais de 160 medalhas em competições internacionais, com 86 ouros.

publicidade
publicidade

O Time Nissan surgiu como uma forma de ativação da marca japonesa ao patrocínio dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro e do Time Brasil. O investimento fez parte de um plano de reposicionamento da marca no país. No ciclo olímpico seguinte, a empresa deixou a equipe nacional; os Jogos Olímpicos terão aporte global da Toyota. A marca, no entanto, quis manter com um grupo de atletas.

publicidade
publicidade
publicidade

Com foco nos Jogos Olímpicos de Tóquio, o time, chamado de "2.0" pela Nissan, tem um número reduzido de atletas, mas permanece relevante na estratégia de comunicação. O plano é reafirmar a diversidade dentro da companhia que, segundo a comunicação da marca, representa "um dos principais pilares da empresa".

publicidade

Orlando City pode ser vendido por US$ 400 milhões