Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Eric Boutaud

Eric Boutaud, diretor de marketing da unidade de negócios da Batavo, fala sobre o retorno da marca ao esporte e o acordo de patrocínio com o Corinthians

Gustavo Franceschini Publicado em 27/03/2009, às 02h59 - Atualizado às 05h59

Depois de quase quatro meses no mercado, o Corinthians conseguiu um patrocinador master. A Batavo acertou, na semana passada, um acordo de R$ 18 milhões com o clube do Parque São Jorge. A empresa voltou a investir no futebol depois de nove anos, com os desafios de não repetir a estratégia da Medial Saúde e aproveitar o fator Ronaldo.

Em entrevista exclusiva à Máquina do Esporte, Eric Boutaud, diretor de marketing da unidade de negócios da Batavo, explicou parte da negociação e alguns planos para a parceria. O primeiro ponto a ser esclarecido, no entanto, é a relação com Ronaldo, que foi relativizada pelo executivo.

?Não dá para desvincular dele. É claro que ele ajuda, mas nós já estávamos analisando o Corinthians. Ele é apenas um fator a mais?, disse Boutaud.

Com contrato assinado até o fim da participação do clube na Copa São Paulo de Juniores de 2010, a Batavo terá a Off Field como parceira de ativação. Juntas, as duas empresas terão de colocar em prática uma estratégia que una a marca de laticínios ao clube, fugindo da mera exposição de imagem.

No ano passado, quando esteve na segunda divisão do Campeonato Brasileiro, o Corinthians viveu uma situação parecida. O investimento de R$ 16,5 milhões da Medial Saúde, o maior do país até então, aliviou as contas alvinegras durante o ano, mas não transformou-se em exemplo de proximidade e reconhecimento do público.

Em novembro, a companhia de seguros anunciou sua saída do clube em decorrência da crise financeira. A Batavo entende que é muito cedo para falar em renovação, mas trata a possibilidade de permanência como a ideal dentro do cenário atual.

?Se tudo caminhar bem durante o ano, a gente entende que pode continuar patrocinando o Corinthians no ano que vem?, avaliou Boutaud.

Leia a íntegra da entrevista a seguir:

Máquina do Esporte: Hoje a Batavo é uma marca da Perdigão. Qual das duas marcas definiu o patrocínio ao Corinthians?

Eric Boutaud: A companhia que escolhe é a Perdigão. A Batavo faz parte da empresa, mas quem decide é a própria Perdigão.

ME: E por que, dentro das opções que ela tinha, a Perdigão escolheu estampar a Batavo?

EB: A Batavo já tem um histórico de ligação com o futebol [a marca patrocinou o clube em 1999 e 2000]. A própria Perdigão já tem uma força muito grande. Então decidimos fazer a Batavo crescer, e o Corinthians vai ajudar muito nisso.

ME: O que mudou na atuação e no posicionamento da Batavo do fim da década de 1990 até agora?

EB: A companhia, internamente, mudou muito, mas tem gente que está aqui desde aquela época. A essência da Batavo é igual, e agora queremos fazer um trabalho ainda melhor, que renda mais títulos.

ME: A Off Field é a parceira de vocês para ativação de patrocínio e também intermediou o negócio. O que vocês planejam para essa área?

EB: A Off Field vai orquestrar alguma coisa com a gente ali no campo. Os jogadores vão representar a marca fora também, mas queremos manter o foco no Corinthians, e não no Ronaldo. Poderemos fazer ações de endomarketing também. A ideia é compartilhar tudo isso com o público, e mostrar que nós apoiamos o Corinthians.

ME: E qual a importância do Ronaldo para esse acordo?

EB: Não dá para desvincular dele. É claro que ele ajuda, mas nós já estávamos analisando o Corinthians. Ele é apenas um fator a mais na negociação.

ME: Por que vocês escolheram o Corinthians?

EB: A gente tem esse histórico. Nós sempre nutrimos muita simpatia pelo Corinthians, e hoje ele está sendo visto e falado mais que os outros. É um investimento muito mais fácil, com retorno garantido.

ME: Dá para ter certeza de que vocês vão construir uma relação com o clube, e não apenas passar um ano estampando a marca?

EB: Para nós esse patrocínio é muito mais do que a exposição na mídia. Nós vamos continuar atuando em outras áreas também, mas queremos criar essa relação mais próxima. Se tudo caminhar bem durante o ano a gente entende que pode continuar apoiando o Corinthians no ano que vem.