Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Márcio Gonzalez

Diretor de marketing da Seara fala sobre patrocínio da empresa às mangas das camisas do Santos para este ano

Guilherme Costa Publicado em 05/03/2010, às 22h13 - Atualizado em 06/03/2010, às 01h13

O Santos apresentou oficialmente, na última sexta-feira, o primeiro patrocinador fixo de seu uniforme para a atual temporada. O clube da Vila Belmiro fechou com a Seara alimentos, que exibirá sua marca nas mangas das camisas alvinegras. A estreia do aporte aconteceu no domingo, na vitória por 2 a 1 sobre o Corinthians (nesse jogo, aliás, a empresa estampou também peito e costas da equipe).

O patrocínio corroborou nova fase para o Santos, que interrompeu um período de dez anos com Marcelo Teixeira na presidência e elegeu Luís Álvaro de Oliveira Ribeiro para o cargo em dezembro do ano passado. Mas também mostra uma mudança para a Seara, marca que em setembro de 2009 foi adquirida pelo grupo Marfrig.

Pela marca, a Marfrig desembolsou US$ 706,2 milhões e assumiu US$ 193,8 milhões de dívida da Seara. O negócio envolveu as áreas de aves, suínos e produtos industrializados, com faturamento anual de US$ 1,7 bilhão.

A mudança de gestão da Seara coincidiu com a ascensão da nova diretoria no Santos. Além disso, o início das atividades da nova cúpula na empresa elevou a importância do futebol para seu planejamento de marketing.

?Ao patrocinar um time de futebol, além de se identificar com a paixão nacional da família brasileira, você gera grande visibilidade para a marca. Acreditamos muito nisso, até por sermos uma marca com 54 anos no mercado brasileiro, que não começou ontem, mas que está um pouco empoeirada. Precisamos de comunicação e de visibilidade?, disse Márcio Gonzalez, diretor de marketing da Seara alimentos, em entrevista exclusiva à Máquina do Esporte.

Durante a conversa, Gonzalez falou um pouco dos motivos que levaram a empresa ao Santos e à cota de mangas da camisa. Também avaliou a importância da Copa do Mundo para a Seara, que controla atualmente 5% do mercado. E revelou que, no clube da Vila Belmiro ou em outros setores, a empresa ainda enxerga espaço para investir mais no futebol em 2010.

Leia a seguir a íntegra da entrevista:

Máquina do Esporte: Por que a Seara decidiu incrementar o investimento no futebol?

Márcio Gonzalez: Primeiramente, o futebol é uma paixão nacional. Ao patrocinar um time de futebol, além de se identificar com a paixão nacional da família brasileira, você gera grande visibilidade para a marca. Acreditamos muito nisso, até por sermos uma marca com 54 anos no mercado brasileiro, que não começou ontem, mas que está um pouco empoeirada. Precisamos de comunicação e de visibilidade.

ME: E por que o Santos?

MG: Isso é algo bastante interessante. O Santos tem oito milhões de torcedores, e nós poderíamos patrocinar times mais populares. Mas o Flamengo, por exemplo, tem 40 milhões de torcedores e outros cem milhões que não nutrem a mesma simpatia, às vezes têm até certa aversão. Esses clubes são entidades futebolísticas polarizadoras. O Santos possui mais de cem milhões de admiradores, até por ser o berço do maior jogador de todos os tempos e por ser uma equipe simpática. Isso nos interessou muito.

Há também um segundo ponto: a Seara foi adquirida pelo grupo Marfrig recentemente e está em um novo processo de gestão. O Santos também tem uma nova diretoria. Hoje, quando você visita o CT ou a Vila Belmiro, percebe que esse pessoal está construindo uma grande família. Isso é exatamente o momento e o propósito da Seara, que deseja ser a melhor alternativa de alimentos para a família brasileira. Queremos ser a razão de a família estar reunida.

ME: Por que vocês escolheram a manga como propriedade em vez da cota máster?

MG: Queremos evoluir. Vejo a manga como uma porta de entrada, já com bastante visibilidade. Estamos reiniciando trabalhos de visibilidade do grupo. Decidimos entrar na manga do Santos e depois evoluir para outros pontos. Prova disso é que estaremos no peito, nas costas e nas mangas na estreia.

N.R.: A entrevista foi concedida na sexta-feira, dois dias antes da primeira aparição da Seara na camisa do Santos. A marca estampou peito, costas e mangas da camisa alvinegra no domingo seguinte, na vitória por 2 a 1 sobre o Corinthians.

ME: Como será o plano de ativação do patrocínio?

MG: Não posso antecipar detalhes, mas lançaremos uma campanha nacional ainda sem mês especificado, até porque a concorrência soube da nossa programação e se preparou no ano passado. Queremos fortalecer o vínculo com o Santos e com o futebol para que o consumidor privilegie produtos Seara no ponto de venda, que é onde a decisão acontece.

ME: Que outras propriedades, além da exposição no uniforme, a Seara pretende explorar com o patrocínio?

MG: Nós vamos usar tudo que for possível para gerar visibilidade e associação entre as duas marcas. Dentro disso, o principal foco é a ativação em pontos de venda. Nosso grande objetivo é utilizar o patrocínio como fim para essa ativação. Todas as revistas de comunicação do varejo brasileiro receberão um comunicado sobre o patrocínio. Queremos que o jogo do Santos crie um dia para os torcedores consumirem produtos Seara. Para isso, não podemos usar só a imagem no uniforme. Precisamos de um trabalho mais extenso.

ME: Qual foi o peso do atual momento do calendário, a meses da Copa do Mundo, para a decisão de patrocinar o Santos?

MG: Inicialmente, todas as atenções estão voltadas para o futebol. É como um ano de Olimpíadas ou de Jogos Pan-americanos. É natural que toda a mídia, principalmente em um país como o Brasil, totalmente apaixonado por esse esporte, volte sua atenção para o futebol. Mas isso foi apenas uma feliz coincidência. Adquirimos a Seara agora, começamos em janeiro e achamos que esse seria um bom caminho. É claro que patrocinar o futebol agora facilita muito a vida, assim como patrocinar o César Cielo em um ano olímpico. Temos uma leitura muito clara de que a Copa do Mundo, com exceção de quando acontece na Ásia e tem jogos de madrugada, aumenta o consumo de frios embutidos industrializados. É um período em que as pessoas se reúnem, fazem churrascos, fazem lanches. Existe um espaço muito legal para ser explorado.

ME: O Santos tem, atualmente, um dos elencos mais badalados do país. De que formas a Seara pretende explorar as imagens de jogadores como Neymar, Paulo Henrique e Robinho? Vocês cogitam contratá-los individualmente para usá-los nas campanhas relacionadas ao patrocínio?

MG: Falando especificamente dos jogadores, eles poderão ser muito importantes nesse novo momento para nós. Inicialmente, a identificação com o Santos e com essa essência da nova administração foram os fatores que nos interessaram. Mas a oportunidade de usar a imagem de jogadores como esses é muito importante e será aproveitada com todo foco e ponderação necessários.

ME: Vocês projetam outras iniciativas com patrocínio no futebol brasileiro?

MG: Já temos placas de publicidade nos campeonatos Paulista e Catarinense, além do painel de LED no Estadual do Rio de Janeiro. Estamos estudando novas oportunidades, sim.

ME: Quando você fala em novas oportunidades, a visão da Seara está mais voltada a campeonatos, times ou jogadores?

MG: As três coisas. Queremos capturar a oportunidade que é a Copa do Mundo, e para isso vamos investir.

ME: A Marfrig anunciou, em janeiro deste ano, um investimento de US$ 6,4 milhões para construir uma fábrica na Argentina. O mercado sul-americano também vai ser explorado com patrocínios esportivos?

MG: Esse investimento não influencia a nossa estratégia, e nós estamos mais focados no mercado interno.

ME: Qual é a participação de mercado da Seara e quanto vocês desejam atingir por conta do patrocínio ao futebol?

MG: A Seara tem, atualmente, um share de 5% do mercado. Não vou fixar um número, mas temos objetivos audaciosos. Diria que o futebol é apenas parte de um investimento maior. Queremos nos posicionar entre os líderes, e o futebol é uma parte desse planejamento. Esse esporte responde por aproximadamente 8% da nossa verba de marketing.

ME: Por que vocês assinaram com o Santos somente por dez meses? O objetivo da Seara é aproveitar realmente o período da Copa do Mundo?

MG: O objetivo é trabalhar em longo prazo com futebol e esporte. Principalmente com futebol, que é uma paixão do brasileiro. A Seara não veio só para surfar na onda da Copa do Mundo. Entendemos que o futebol é um caminho e que o patrocínio de clubes é realmente muito interessante para gerar visibilidade e aproximação com o torcedor.