Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Futebol / Temor

Alemanha volta a fechar estádios com medo de nova onda da Covid-19

Bayern de Munique e Red Bull Leipzig jogarão sem torcida na rodada do meio de semana da Champions League

Redação - São Paulo (SP) Publicado em 06/12/2021, às 10h22 - Atualizado às 10h24

Allianz Arena ficará de novo sem torcida na Champions League e nos próximos jogos do Bayern na Bundesliga - Reprodução
Allianz Arena ficará de novo sem torcida na Champions League e nos próximos jogos do Bayern na Bundesliga - Reprodução

O Bayern de Munique jogará nesta quarta-feira (8) com o Barcelona, pela Champions League, com os portões da Allianz Arena fechados. A decisão foi tomada pelo governo alemão, que aumentou as restrições de aglomeração das pessoas devido ao aumento no número de casos e de mortes por conta da Covid-19 no país e na região da Baviera, onde fica o clube.

“É muito difícil para nós termos que jogar em uma arquibancada vazia na Allianz Arena novamente. Sem os nossos torcedores no estádio, o futebol tem apenas metade da beleza, sem falar nas consequências financeiras”, disse o vice-presidente executivo do Bayern, Jan-Christian Dreesen.

Quem também fechará os estádios é o RB Leipzig, que enfrenta o Manchester City nesta terça-feira (7). Na semana passada, os líderes federais e estaduais alemães estabeleceram um limite máximo de público de 15 mil pessoas, mas os estados estão liberados para definirem regras mais rígidas de controle.

O receio, além do aumento do número de infecções pela Covid-19, é com a presença da nova variante Ômicron. Dois casos da variante foram detectados na Baviera. O Bayern já anunciou que as duas próximas partidas pela Bundesliga, contra o Mainz (dia 11) e o Wolfsburg (dia 17) também serão disputadas com portões fechados.

O futebol alemão é o primeiro a impor medidas mais restritivas nos estádios após a retomada das competições esportivas. Até agora, apenas a Universíade havia sido cancelada por conta do receio com relação à Ômicron.