Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Bahia demite Mano e afasta Ramírez após racismo em jogo

Redação Publicado em 21/12/2020, às 13h49

Imagem Bahia demite Mano e afasta Ramírez após racismo em jogo

O Bahia anunciou, na noite de domingo (20), a demissão do técnico Mano Menezes. A saída do treinador aconteceu pouco tempo após ele ter sido acusado, pelo meia Gérson, do Flamengo, de ter faltado com respeito após o jogador ter dito sofrer ofensa racista do colombiano Ramírez, do Bahia.

A discussão entre o jogador do Flamengo e o ex-treinador do Bahia foi flagrada pelos microfones da TV. Gerson começa a reclamar dizendo ter sido chamado de negro e, ao dizer isso, Menezes rebate: "Aahhh. Agora virou malandragem?". A partir daí, começa uma discussão em que o treinador tenta ser acalmado por um auxiliar da arbitragem que diz: "isso é um assunto muito delicado para a gente tomar partido". Menezes segue pressionando o árbitro e cobra a expulsão de Gerson. Depois, ainda fica reclamando e diz que o jogador tem de "tomar bico do Daniel, que é mais malandro que tu", referindo-se a Daniel Alves, atleta do São Paulo.

Mano Menezes foi demitido do Bahia após a partida contra o Flamengo (Foto: Felipe Oliveira / EC Bahia)

O Bahia não disse se a saída do treinador está relacionada ao caso. O clube apenas comunicou o fim do contrato. Na madrugada de segunda-feira, o Bahia afirmou que Ramírez negou as ofensas, mas temporariamente afastou o atleta das atividades.

"O clube entende que é indispensável, imprescindível e fundamental que a voz da vítima seja preponderante em casos desta natureza", afirmou o Bahia na nota.

O Tricolor tem sido o clube que mais tem se destacado na luta por causas sociais no Brasil. No último dia 20 de novembro, o Bahia anunciou um processo seletivo exclusivo para negros, o primeiro já feito por um clube esportivo no país.

Mano foi as redes sociais e disse que "condena qualquer ato de racismo e reitera que a violência contra quem comete não é caminho para solucionar a questão".