Clubes montam comissão com seis dirigentes para negociar adesão à Libra

A reunião dos clubes que ainda não aderiram à Libra, realizada no Rio de Janeiro, na manhã desta segunda-feira (16), decidiu montar uma comissão com seis representantes para negociar a divisão de verbas da futura competição com os times que já assinaram o estatuto da liga brasileira de clubes.

Na reunião, ficou decidido que participarão dessa comissão os presidentes de América-MG (Alencar da Silveira Junior), Atlético-MG (Sérgio Coelho), Fluminense (Mário Bittencourt), Fortaleza (Marcelo Paz) e Internacional (Alessandro Barcellos). O grupo também terá a presença de Francisco José Battistotti, ex-presidente do Avaí e atual mandatário da Associação Nacional de Clubes de Futebol, como representante da Série B.

"O Internacional está presente [na comissão] para buscar mediar, aproximar, tentar construir um entendimento para termos uma liga formada por 20 clubes da Série A e 20 clubes da Série B. Esse é o esforço que está sendo colocado. Pra isso que a gente vai trabalhar nos próximos dias: marcar esses encontros, onde a gente possa debater os pontos principais , estabelecendo minimamente acordos", destacou Barcellos, presidente do Internacional. 

"A partir daí, dar o passo seguinte que é a formação da liga e o que ela pode produzir de positivo para o futebol brasileiro. Estamos trabalhando nesse sentido e acreditando que é possível construir algo muito bom para o futuro do nosso futebol", acrescentou o dirigente.

A reunião desta segunda-feira (16) começou por volta das 11h30 e foi até quase 15h, em um salão no Hotel Nacional, em São Conrado, zona sul do Rio de Janeiro. Estiveram presentes 25 clubes que ainda não aderiram à Libra, sendo 13 da Série A e 12 da Série B: América-MG, Athletico-PR, Atlético-GO, Atlético-MG, Avaí, Brusque, Ceará, Chapecoense, Coritiba, CRB, Criciúma, CSA, Cuiabá, Fluminense, Fortaleza, Goiás, Guarani, Internacional, Juventude, Londrina, Náutico, Operário-PR, Sampaio Corrêa, Sport e Vila Nova.

Também estavam no evento representantes da LiveMode e do escritório Alvarez & Marsal, contratados para assessorar na formatação da proposta dos clubes.

O Grêmio não enviou representante porque enfrentará o Ituano nesta segunda-feira (16) pela Série B. O time gaúcho, porém, pediu para ser informado dos resultados do encontro. Bahia, Ituano, Novorizontino e Tombense, que ainda não aderiram à Libra, não foram ao encontro.

Agora, a comissão negociará a pauta de distribuição de verba da liga com os clubes que já assinaram o estatuto de fundação da entidade. Já estão nesse grupo o Botafogo, último a aderir na sexta-feira (13), além de Corinthians, Cruzeiro, Flamengo, Palmeiras, Ponte Preta, Red Bull Bragantino, Santos, São Paulo e Vasco.

Reivindicações

O grupo dissidente cedeu um pouco em busca do entendimento com a Libra. A proposta que será apresentada prevê a divisão de receitas da seguinte forma: 45% igualitária, 25% por desempenho e 30% por engajamento. Anteriormente, o pedido era que a divisão fosse 50% de maneira igual, 25% por performance e 25% por engajamento

A maneira como será calculada essa última fatia ainda gera divergências. A proposta do estatuto estabelecia cinco critérios: média de público nos estádios, base de assinantes de cada clube nos pacotes de streaming, seguidores nas cinco principais redes sociais, audiência na TV aberta e tamanho da torcida. Muitos clubes criticaram esses critérios justificando que são subjetivos.

Há outras reivindicações que ainda podem travar o entendimento. Os clubes que ainda não aderiram defendem que o time que ganhar mais no campeonato tenha remuneração no máximo 3,5 vezes maior do que a equipe que ganhar menos. Também pedem que 20% do dinheiro arrecadado com direitos de transmissão e patrocínios sejam destinados aos clubes da Série B.

Ainda sem acordo entre os clubes, uma reunião que estava marcada para quinta-feira passada (12), na sede da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), também no Rio de Janeiro, acabou cancelada.