Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Futebol / Transmissão

Com recordes, Futebol feminino se consolida no Brasil em 2020

Redação Publicado em 11/12/2020, às 11h56

O ano de 2020 serviu para consolidar o futebol feminino no Brasil. Nas últimas semanas, as fases decisivas tanto do Brasileirão quanto do Paulistão registraram recordes de audiência no Twitter, no Facebook e na Band e marcou a entrada de novos players na transmissão, como a ESPN no Brasileirão.


Nesta quinta-feira (10), Corinthians e Palmeiras duelaram pela segunda semana seguida por uma vaga na final. Depois de registrarem o recorde no Twitter, no dia 16 de novembro, foi a vez de o Facebook obter um alcance nunca antes visto. Foram 33,3 mil torcedores simultaneamente assistindo ao empate que garantiu a ida das alvinegras para a final do Paulistão contra a Ferroviária. As duas partidas contra o time do interior paulista serão exibidas no Facebook, na TV Cultura e na rádio CBN.


O recorde de audiência das transmissões na mídia tem sido acompanhado da entrada de mais patrocinadores na modalidade. O dérbi do Paulistão na quinta-feira foi uma transmissão em parceria com a Clear, que lançou a plataforma Bora Jogar, app com dicas de treino dadas por Marta para meninas que querem ser atletas.

Outras marcas entraram ao longo de 2020 na modalidade. Patrocinadores que já estavam no futebol masculino, como o banco Bmg e a Puma, ampliaram investimentos para as equipes femininas. Outras marcas decidiram apoiar clubes e campeonatos, como o salgadinho Torcida, da Pepsico, que patrocina a Ferroviária, ou o açúcar Guarani, que comprou placas de publicidade para os jogos do Paulistão. O próprio Facebook virou a "casa" do estadual numa parceria com a FPF e tem investido na produção de conteúdo para fomentar ainda mais a base de fãs do feminino.


Quem também tem faturado com esse crescimento são os canais com cobertura especializada da modalidade. Maior referência no segmento, o Dibradoras conseguiu crescer em faturamento em 2020, mesmo num ano pós-Copa do Mundo.


"Tivemos em 2019 nosso melhor ano, com a Copa do Mundo e diversas parcerias para a cobertura do evento. Mas em 2020 a gente cresceu 20% durante a pandemia, mesmo com algumas reduções de contratos no período. No segundo semestre, fechamos alguns patrocínios e novos negócios, como a cobertura do Paulistão em parceria com o Facebook", diz Roberta Nina, co-fundadora do canal. 


A popularização do esporte começa a transformá-lo, cada vez mais, num negócio sustentável. Com a possibilidade da volta da torcida aos estádios em 2021, o futebol feminino tem tudo para seguir a reta de crescimento na próxima temporada.