Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Futebol / Direitos de transmissão

CONMEBOL abre licitação para direitos de Libertadores, Sul-Americana e Recopa

Empresas têm até 20 de abril para apresentar propostas por competições

Redação - São Paulo (SP) Publicado em 21/03/2022, às 17h31 - Atualizado às 17h35

CONMEBOL abriu concorrência pelos direitos de transmissão da Libertadores para o ciclo de 2023 a 2026 - Reprodução / Twitter (@libertadoresbr)
CONMEBOL abriu concorrência pelos direitos de transmissão da Libertadores para o ciclo de 2023 a 2026 - Reprodução / Twitter (@libertadoresbr)

A Confederação Sul-Americana de Futebol (CONMEBOL) anunciou o lançamento de concorrência para os direitos de mídia de Copa Libertadores, Copa Sul-Americana e Recopa para o ciclo de 2023 a 2026. O processo de licitação foi aberto em 18 de março, com o prazo para a entrega de propostas finalizando às 12h (horário do Paraguai) do dia 20 de abril.

A licitação está dividida em dois territórios. O território A engloba o Brasil. Já o território B inclui os nove demais países da América do Sul que disputam a Libertadores, além de Guiana, Guiana Francesa, Suriname, América Central e ilhas do Caribe.

Atualmente, o SBT detém os direitos da Libertadores para a TV aberta. Na TV fechada, o torneio é transmitido pela ESPN. Já no streaming, os direitos estão divididos entre Facebook, CONMEBOL TV e Star+. A Copa Sul-Americana é exibida pela CONMEBOL TV. Já a Recopa Sul-Americana, que reúne os vencedores da Libertadores e da Sul-Americana da temporada anterior, é exclusividade da CONMEBOL TV. 

Conforme a Máquina do Esporte antecipou, na nova licitação haverá oito pacotes disponíveis, que vão desde jogos na TV aberta e fechada até pacotes de clipes curtos e melhores momentos. Os direitos começarão a ser exercidos a partir de 1º de janeiro de 2023 e vão até 31 de dezembro de 2026.

A licitação terá apoio e consultoria da FC Diez Media, empresa da IMG, e auditoria da Ernst & Young (EY).