Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Futebol / Prejuízo

Conmebol encerra 2020 com perdas de US$ 14 milhões

Redação Publicado em 24/03/2021, às 11h36

Imagem Conmebol encerra 2020 com perdas de US$ 14 milhões
Receitas da Conmebol foram prejudicadas pela ausência de público nos estádios.
Crédito: Reprodução

A Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) fechou o ano de 2020 com perdas. A entidade dirigente do futebol alcançou uma receita de US$ 329,8 milhões de dólares no ano passado, uma queda de 33% em comparação com o ano anterior.

Apesar de um corte de 26% nas despesas para US$ 351 milhões, a Conmebol terminou 2020 com um prejuízo de US$ 14,45 milhões, um valor "coberto por US$ 27 milhões das reservas para contingências acumuladas no ano anterior". A principal fonte de renda da Conmebol foi a organização de torneios, que representaram US$ 253,3 milhões, quase 33% a menos do que no ano anterior.

Além disso, a confederação recebeu uma receita extraordinária de US$ 38 milhões da Fifa, para completar a restituição de US$ 53 milhões derivados do esquema de corrupção do Portal da Fifa.

A Covid-19 forçou a suspensão de todas as competições da Conmebol em 11 de março de 2020, sendo reiniciada em 15 de setembro, com protocolos sanitários rigorosos e sem público nos estádios, terminando em janeiro. Apesar do retorno das competições, a Dazn e a Globo rescindiram unilateralmente seus contratos, de acordo com a confederação, o que levou a uma queda na receita de 43,35 milhões de dólares, direitos que foram remarcados, sendo comprados pela SBT e Claro-Sky através da Bandeirantes, para o ciclo de 2020 a 2022.

Além disso, o fato de as finais terem sido disputadas sem espectadores significou que a Conmebol perdeu US$ 10 milhões em receita com a venda de ingressos. Por outro lado, a pandemia forçou a suspensão de quatro torneios de jovens e cinco torneios em outras disciplinas.

Em termos de despesas, ele foi de US$ 351 milhões. Gastou $253 milhões na organização de torneios, seu principal item de despesa após manter seus formatos Libertadores e Sudamericana, seguido de marketing e comercialização com $42 milhões e outras competições e desenvolvimento com $23 milhões.