Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Futebol / No streaming

EI Plus fecha acordo-tampão para Eliminatórias

Erich Beting - São Paulo (SP) Publicado em 08/10/2020, às 20h09

Imagem EI Plus fecha acordo-tampão para Eliminatórias

Um acordo fechado no começo desta quinta-feira (8) assegurou ao EI Plus, serviço de streaming da Turner, os direitos de transmitir jogos de oito seleções nas duas primeiras rodadas das Eliminatórias sul-americanas para a Copa do Mundo de 2022.

A Turner fechou com o pool de agências que negociavam os direitos, como mandante, de oito seleções: Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela. Com isso, não haverá um "apagão" de transmissões ao vivo dos jogos, como era o cenário até o início desta quinta-feira. Porém, para poder acompanhar à partida da seleção brasileira contra o Peru, na segunda rodada, o torcedor terá de pagar pelo serviço de streaming da Turner.

Eliminatórias da Copa não terá apagão nas duas primeiras rodadas, mas torcedor só verá Brasil no streaming
Divulgação

O acerto da Turner com as oito seleções resolve um problema momentâneo da transmissão da competição no mercado brasileiro. Mas não resolve o problema de não ter jogos da seleção brasileira transmitidos na TV aberta. 

O que causou essa situação inédita no mercado foi a mudança na forma de venda dos direitos por parte da Conmebol após o escândalo do Fifagate. Em 2015, com a delação premiada de J. Hawilla, o esquema de desvio de verbas na América do Sul envolvendo a compra de direitos de transmissão via a agência Full Play foi descoberto. Como os direitos para as Eliminatórias da Copa de 2018 já estavam vendidos naquela ocasião, a Conmebol manteve os acordos vigentes e não alterou os contratos.

Para 2022, as federações nacionais pressionaram para realizar a venda individualmente, a exemplo do que acontece no Campeonato Brasileiro. Só que, como a Conmebol faz valer o direito de mando de campo para a venda, Brasil e Argentina conseguiram negociar rapidamente seus pacotes. A CBF centralizou a venda dos jogos brasileiros por meio de um leilão, enquanto a AFA terceirizou para a agência Torneios os direitos de comercialização. As demais seleções, após o fracasso nas negociações individuais, decidiram se juntar e vender em bloco, cada um com sua agência, os direitos que envolvem, pelo menos, o jogo que cada uma delas faz contra o Brasil. A ideia delas é receber cerca de US$ 1 milhão por partida contra o Brasil que é transmitida para o mercado.

A Turner, porém, não pagou esse valor para as entidades. Já com o prazo curto para ter os jogos transmitidos e sem a perspectiva de achar um comprador, fecharam o acordo apenas para o streaming, que renderá menos dinheiro para as agências que negociam os direitos. 

O acerto também colocou por terra o plano da Guigo TV, agregadora de conteúdo de TV linear no streaming, que tentava fechar um negócio similar ao do EI Plus diretamente com as agências. A empresa chegou a alinhar o acordo, mas viu o negócio dar para trás após o acerto com a plataforma da Turner. 

A transmissão em território nacional das Eliminatórias pela TV, porém, segue restrita aos jogos da Argentina e do Brasil como mandantes, dentro dos canais do Grupo Globo. O Sportv transmite Argentina x Equador a partir das 20h30 desta quinta-feira e, na sexta, Brasil x Bolívia irá ao vivo no canal e também na Globo.