Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Futebol / Euro 2020

Heineken aproveita polêmica com Coca-Cola para homenagear CR7

Redação Publicado em 16/06/2021, às 11h38

Imagem Heineken aproveita polêmica com Coca-Cola para homenagear CR7
Multinacional holandesa usou o próprio nome para formar o número 11 e, assim, homenagear Cristiano Ronaldo
Reprodução / Instagram (@heineken)

Patrocinadora da Euro 2020 assim como a Coca-Cola, a Heineken decidiu aproveitar a polêmica criada por Cristiano Ronaldo em torno da multinacional de refrigerantes para homenagear o português. No Instagram, a marca de cerveja usou a letra "i" e a primeira perna da letra "n" de seu próprio nome para formar o número 11, quantidade de gols alcançados por CR7 após marcar duas vezes diante da Hungria na vitória portuguesa por 3 a 0.

Com os gols, Cristiano se tornou o maior artilheiro da história da Euro, superando o francês Michel Platini, que fez nove em toda a carreira. Na legenda da foto, a Heineken escreveu: "Sabemos que ele prefere ‘água’, mas brindamos ao maior artilheiro de todos os tempos".

A "referência velada" ao que havia ocorrido no dia anterior foi clara. Na véspera da partida entre Hungria e Portugal, estreia das duas seleções na Euro 2020, Cristiano Ronaldo retirou duas garrafinhas de Coca-Cola de sua frente na hora de participar da entrevista coletiva pré-jogo obrigatória por parte da Uefa. Não bastasse isso, o astro ainda pegou uma garrafa de água e disse que preferia água do que Coca-Cola.

A homenagem da Heineken, no entanto, foi feita antes da multinacional holandesa "provar do mesmo veneno" que a Coca-Cola. Isso porque, na entrevista coletiva após o jogo entre Alemanha e França, vencido pelos franceses por 1 a 0, o meio-campista Paul Pogba usou a mesma estratégia de CR7 e tirou da frente justamente uma long neck da Heineken.

Diferentemente de Cristiano Ronaldo, que tomou a atitude por considerar água mais saudável do que Coca-Cola, Pogba o fez por questões religiosas. O francês se tornou muçulmano há alguns anos e sua religião não permite o consumo nem a associação de sua imagem a nenhuma bebida alcoólica, mesmo que seja a versão em questão, sem álcool.