Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Futebol / Respeito

Heineken tira garrafa da frente de jogadores muçulmanos na Euro

Redação Publicado em 24/06/2021, às 23h16

Imagem Heineken tira garrafa da frente de jogadores muçulmanos na Euro
Mulçumano, Paul Pogba retirou garrafa da Heineken antes de entrevista coletiva na Euro
Reprodução

A discussão sobre as garrafas nas entrevistas coletivas da Euro 2020 ganhou um novo capítulo. A Heineken e a Uefa chegaram a um entendimento que fará com que não sejam mais colocadas garrafas de Heineken, mesmo sem álcool, na frente dos jogadores muçulmanos.

A decisão passa a valer a partir da fase de oitavas de final da competição. Agora, times, dirigentes e jogadores serão questionados de antemão se eles se oporiam a ter as garrafas de Heineken 0.0 no pórtico por motivos religiosos.

A decisão foi divulgada pelo “The Telegraph” e confirmada pela Uefa. A ideia surgiu como uma forma de acabar com a “dança das garrafas” nas entrevistas coletivas, que começou com a ação de Cristiano Ronaldo afastando de sua frente duas garrafas de Coca-Cola antes de entrevista coletiva de Portugal, passou por Paul Pogba, que é muçulmano, tirando a garrafa de Heineken, e depois se tornou uma febre entre atletas e treinadores, fazendo piadas alusivas à situação.

A marca de cerveja respeitou o gesto de Pogba, mas pressionou, junto com a Coca-Cola, a Uefa por causa do descontrole sobre a situação nas entrevistas. A entidade emitiu um comunicado confirmando que os atletas, por motivos religiosos, poderiam retirar as garrafas, mas orientou as federações a não permitirem que os atletas retirassem as bebidas.

“Se for por motivos religiosos, eles não precisam ter uma garrafa lá”, disse Martin Kallen, diretor da Euro 2020, que acrescentou que a Uefa não vai aplicar qualquer sanção aos atletas.

“Nunca multamos um jogador diretamente. Fazemos isso sempre por meio da federação nacional participante, e eles podem ver se vão mais longe”, acrescentou Kallen, não descartando a aplicação de multas para as federações.

“Temos regulamentos assinados pelas federações participantes. Nós os lembramos de suas obrigações, mas é claro que isso (multas) é sempre uma possibilidade”, completou o dirigente.