Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Futebol / Vai mudar

Itália substituirá Puma pela Adidas a partir de 2023

Federação Italiana de Futebol anunciou acordo "de longo prazo" e trocará de marca alemã após 18 anos

Erich Beting - São Paulo (SP) Publicado em 09/03/2022, às 09h55 - Atualizado às 09h57

Parceria entre Adidas e Federação Italiana de Futebol começará em janeiro de 2023, após 18 anos de acordo com a Puma - Divulgação / FIGC
Parceria entre Adidas e Federação Italiana de Futebol começará em janeiro de 2023, após 18 anos de acordo com a Puma - Divulgação / FIGC

A Federação Italiana de Futebol (FIGC) anunciou, nesta quarta-feira (9), uma parceria “de longo prazo” com a Adidas, que a partir de janeiro de 2023 passará a vestir as seleções nacionais italianas de futebol masculino, futebol feminino, categorias de base, futsal, futebol de areia e e-Sports.

A marca das três listras substituirá a Puma, que ainda vestirá a seleção italiana até o final do ano. Se a equipe conseguir vaga na Copa do Mundo do Catar, que será em novembro, a empresa alemã proverá os uniformes dos italianos pela última vez neste ciclo iniciado em 2004.

“O anúncio da parceria com a Adidas é motivo de orgulho para a FIGC. Esta colaboração representa um passo fundamental no caminho de crescimento do nosso apelo comercial e fortalece o processo de desenvolvimento da nossa marca na Itália e no exterior. A paixão e o entusiasmo que encontramos na Adidas são os mesmos que a Federação Italiana aprofunda todos os dias na promoção de todas as seleções italianas e do futebol italiano, em todos os níveis”, afirmou o presidente da FIGC, Gabriele Gravina.

A entrada da Adidas mostra uma nova movimentação entre as marcas esportivas no patrocínio de grandes propriedades do futebol italiano. Na última segunda-feira (7), a Puma anunciou que substituirá a Nike no fornecimento de bolas para a Serie A. Agora, a Adidas volta a vestir a seleção italiana, em parceria que vigorou nas Copas do Mundo de 1974 e 1978.

Para o CEO da Adidas, Kasper Rorsted, o acordo faz com que a marca consiga ter em seu portfólio mais uma das grandes seleções mundiais.  

“Estamos entusiasmados que uma das seleções nacionais de maior sucesso se junte ao nosso portfólio de federações internacionais, ao lado de outros gigantes como a DFB (Alemanha), a RFEF (Espanha), a AFA (Argentina) e a RBFA (Bélgica)”, afirmou o executivo.