Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Futebol / Negócios

LaLiga aprova entrada do fundo CVC, mas reduz valores sem Real Madrid e Barcelona

Redação Publicado em 13/08/2021, às 15h59

Imagem LaLiga aprova entrada do fundo CVC, mas reduz valores sem Real Madrid e Barcelona

A Assembleia Geral da LaLiga aprovou, nesta quinta-feira (12), o projeto “Boost LaLiga”. Dos 42 clubes membros, 38 votaram a favor. Como já se esperava, Real Madrid e Barcelona foram contra, assim como o Athletic Bilbao e um clube não identificado da segunda divisão do futebol do país.

Dessa forma, por meio de um acordo estratégico, o fundo de investimentos CVC torna-se parceiro da LaLiga e de seus clubes de primeira e segunda divisões com o objetivo de impulsionar o crescimento global e continuar a transformação da liga espanhola em uma empresa global de entretenimento digital. A LaLiga, por sua vez, manterá suas responsabilidades esportivas, bem como a organização e gestão da comercialização dos direitos audiovisuais.

Com relação a valores, a injeção esperada de € 2,7 bilhões deverá cair para € 2,1 bilhões. O motivo da queda é justamente a dissidência dos quatro clubes, que rejeitaram o acordo utilizando uma cláusula de “opt-out”, segundo o jornal Financial Times.

“Estamos convencidos de que o ‘Boost LaLiga” é a resposta aos desafios que temos de enfrentar a médio e longo prazo. É um acordo estratégico que vai dotar os nossos clubes de maior capacidade, vai transformar o seu modelo de gestão e aumentar o apelo da nossa competição. É o impulso que precisamos para transformar a LaLiga em uma empresa global de entretenimento digital que tem a competição de futebol mais atraente do mundo”, disse Javier Tebas, presidente da LaLiga.

Divulgação / LaLiga

O dirigente não perdeu a oportunidade de cutucar Real Madrid e Barcelona após a decisão dos dois principais clubes do país de votarem contra o acordo. Desde a semana passada, Tebas vem se estranhando com o presidente do Barcelona, Joan Laporta, em publicações no Twitter, o que gerou um certo caos incomum para a LaLiga.

“É claro que eles (Barcelona e Real Madrid) são a favor de uma Superliga Europeia. Eles não estão interessados ​​em uma liga poderosa e forte. (...) Fui falar com o Real Madrid sobre a CVC quando montaram a Superliga em abril? (...) É por isso que não falei com o Real Madrid. Não vou dizer essas coisas a pessoas que querem destruir La Liga. (...) Tudo o que a LaLiga faz, o Real e o Barcelona tentam bloquear. O Real Madrid tem um problema cultural. Eles acham que os grandes clubes precisam organizar as coisas”, criticou Tebas.

Em nota, o Athletic Bilbao explicou que o clube não vê a chegada da CVC como um bom negócio. Os bascos também expressaram surpresa com a rapidez do processo de tomada de decisão, afirmando que “um projeto estratégico de 50 anos não deve ficar prisioneiro das emergências”.

Divulgação / LaLiga

O acordo da LaLiga com o fundo CVC foi anunciado pela primeira vez em 4 de agosto. O negócio, que foi ratificado pela Comissão de Delegados da LaLiga, prevê a aquisição por parte da CVC de 10% das ações da liga espanhola, colocando todos os negócios, subsidiárias e joint ventures da LaLiga em uma nova empresa.

Pelo acordo, 90% do capital investido no Boost LaLiga irá para os clubes. Uma parcela será destinada a outras áreas do esporte e do próprio futebol na Espanha. Para a LaLiga, “o projeto não apenas protege a viabilidade econômica de todos os clubes de futebol espanhóis, mas também abre um novo presente e futuro para eles, permitindo que avancem em seu desenvolvimento e transformação em uma década”.

“A CVC não veio aqui para nos socorrer. Eles não estão aqui por causa da pandemia. Apenas 15% do dinheiro pode ser usado para quitar dívidas, 70% são para investimento em infraestrutura. Perdemos cerca de € 1 bilhão, mas os clubes conseguiram refinanciar com seu próprio patrimônio. O fundo CVC surgiu para construir uma liga maior”, defendeu o presidente da LaLiga, que ainda afirmou com todas as letras que o projeto é “um marco sem precedentes” e “o maior impulso para o futebol espanhol em sua história”.