Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Futebol / Cabo de Guerra

Ligas afrontam FIFA sobre convocação de jogadores, e futebol vive impasse

Entidades se colocam ao lado de clubes e dizem que eles podem impedir jogadores de disputar Eliminatórias

Redação Publicado em 26/08/2021, às 12h02 - Atualizado em 30/08/2021, às 06h02

O presidente da FIFA, Gianni Infantino, tenta convencer clubes a não boicotarem Eliminatórias - Divulgação
O presidente da FIFA, Gianni Infantino, tenta convencer clubes a não boicotarem Eliminatórias - Divulgação

Quando a FIFA anunciou um acordo com a CONMEBOL para que fossem jogadas três rodadas das Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022 nas janelas de setembro e outubro do calendário, acreditava-se que seria colocado, ali, um ponto-final em um problema que poderia afetar o próprio desenrolar da qualificação para o Mundial do ano que vem.

Com duas rodadas atrasadas por conta da pandemia, a ideia era encerrar as Eliminatórias já dentro das datas FIFA disponíveis e, assim, terminar 2021 com todos os classificados definidos. Com isso, seria possível realizar o sorteio das chaves da Copa dentro do prazo estabelecido.

Mas um motim que teve início com a Premier League, da Inglaterra, e foi seguido pela LaLiga, da Espanha, e a Serie A, da Itália, colocou em xeque os planos da FIFA e poderá gerar um impasse complicado para o futebol resolver.

Os clubes foram desautorizados a liberar seus jogadores, com a pandemia servindo como pretexto para as equipes peitarem a FIFA, algo que sempre foi um desejo delas. As reclamações nunca haviam conseguido ter muito eco depois que o calendário do futebol foi organizado para que algumas poucas datas ao longo do ano fossem separadas para amistosos e competições entre seleções.

Com os clubes pressionados pela falta de dinheiro e sem interesse em ceder gratuitamente os atletas para os seus países de origem, correndo, assim, o risco de recebê-los de volta das datas FIFA com lesões, a pandemia do coronavírus se transformou na “tempestade perfeita” para a rebelião.

Até agora, a FIFA não se impôs como entidade máxima do futebol, afirmando que solicitará à Inglaterra a liberação de uma obrigatoriedade de quarentena para os atletas que vierem à América do Sul para defender suas seleções. Além disso, a carta em que pede mais diálogo aos clubes ajudou a incentivar outras ligas, além da inglesa, a se manifestarem e se colocarem ao lado dos times, dando a eles um poder de veto às convocações que até um mês atrás era impensável.

LEIA MAIS: Em carta aberta, FIFA pede “solidariedade” após LaLiga seguir Premier League em veto

O impasse está criado. Ainda na esteira do impacto da pandemia, o futebol mundial está próximo de um racha que pode criar um efeito cascata e mudar todo o calendário do esporte. Até o final da semana, a FIFA terá de decidir se fará valer sua força ou se cederá aos clubes.