Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Futebol / Mercado

Milan negocia venda para fundo de investimentos do Bahrein

De acordo com a Reuters, a Investcorp está em negociações exclusivas para comprar o clube italiano

Redação - São Paulo (SP) Publicado em 20/04/2022, às 10h14

Jogadores do Milan comemoram vitória na Serie A; time é líder, com dois pontos e um jogo a mais que a Internazionale - Reprodução / Twitter (@acmilan)
Jogadores do Milan comemoram vitória na Serie A; time é líder, com dois pontos e um jogo a mais que a Internazionale - Reprodução / Twitter (@acmilan)

O fundo de investimentos Investcorp, sediado no Bahrein, está em negociações exclusivas com o Milan para comprar o clube. De acordo com a agência internacional de notícias Reuters, a venda está quase concluída, no que seria o primeiro investimento de uma empresa do Oriente Médio no futebol italiano.

Segundo a Reuters, uma avaliação potencial para o clube, considerado um dos mais importantes da Europa e do futebol mundial, ficaria na casa de € 1 bilhão, incluindo dívidas. Desde julho de 2018, o time é controlado pela Elliott Management.

Procurado pela agência de notícias, o Milan desconversou e, na figura de um porta-voz, disse apenas que “continua focado em melhorar seu desempenho em campo e desenvolver o clube”. Em campo, o Milan lidera a Serie A, dois pontos à frente da Internazionale, que tem um jogo a menos. Faltam cinco rodadas para o término da competição.   

A Investcorp administra mais de US$ 42 bilhões em ativos, abrangendo capital privado, imobiliário, investimentos de retorno absoluto, infraestrutura, gestão de crédito e capital estratégico.

Vale ressaltar que, no final de 2021 e início de 2022, a rival Internazionale ficou perto de ser adquirida pelo Fundo de Investimento Público da Arábia Saudita (PIF, na sigla em inglês), mesmo proprietário do Newcastle, da Inglaterra, de acordo com informações do International Business Times. À época, falou-se em um negócio de US$ 1 bilhão, mas, até o momento, nada foi concretizado.