Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Futebol / Quem dá mais?

Palmeiras busca patrocínio para o futebol feminino

Em entrevista, Leila Pereira diz que está atrás de parceiros para bancar projeto entre as mulheres

Redação Publicado em 05/01/2022, às 18h21

Futebol feminino do Palmeiras foi vice-campeão brasileiro e disputará a Copa Libertadores em 2022 - Divulgação/Palmeiras
Futebol feminino do Palmeiras foi vice-campeão brasileiro e disputará a Copa Libertadores em 2022 - Divulgação/Palmeiras

O Palmeiras está em busca de patrocinadores para o time de futebol feminino do clube, atual vice-campeão brasileiro e que disputará em 2022 pela primeira vez a Copa Libertadores. Leila Pereira, presidente do clube, confirmou que tentará tornar viável a manutenção da equipe.

“Nós vamos continuar a investir, mas é muito importante também conseguirmos parceiros, patrocinadores, porque o futebol se faz com investimento, com dinheiro. Sem um investimento compatível, não podemos fazer grandes aquisições. Hoje buscamos parceiros que nos ajudem a desenvolver o futebol feminino”, afirmou a mandatária, que é dona da Crefisa e da FAM, patrocinadoras da camisa dos times masculino e feminino do Palmeiras.

A declaração da dirigente é a primeira em que ela admite que o clube busca um novo parceiro para se relacionar com o time feminino. Até então, sempre que foi questionada sobre eventuais patrocinadores para o clube, a dirigente se esquivou dizendo que assim que aparecesse uma empresa disposta a investir mais do que os R$ 81 milhões ao ano que a Crefisa e a FAM colocam no Palmeiras, ela aceitaria o negócio.

A responsabilidade financeira, aliás, foi a tônica da entrevista coletiva que Leila concedeu nesta quarta-feira (5) no Palmeiras. Pressionada nas redes sociais pelos torcedores para contratar um jogador de renome, ela sempre respondeu que a prioridade é conquistar títulos, mas sem desfalcar o caixa do clube.

“De que adianta ser campeão num ano e no ano seguinte estar com dívidas”, questionou a dirigente. Confira abaixo a íntegra da entrevista com Leila Pereira.