Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Futebol / Pandemia

Pandemia leva Real Madrid a perder € 500 milhões em dois anos

Redação Publicado em 25/06/2021, às 18h11

Imagem Pandemia leva Real Madrid a perder € 500 milhões em dois anos

Florentino Pérez, presidente do Real Madrid, mostrou o impacto da pandemia no valor do clube. Em entrevista à rádio Onda Cero, o dirigente, que também comanda a controversa Superliga, contou que o clube sofreu uma deterioração de € 500 milhões em dois anos.

O líder dos merengues não hesitou em rebater Javier Tebas, presidente da LaLiga, que disse no início desta semana que "o Real Madrid é o clube europeu que melhor gerenciou a pandemia".

Para Florentino, o presidente "disse isto porque eu disse que o futebol estava morrendo", mas o clube também teria tido prejuízo se não fosse "a generosidade dos jogadores que permitiu que terminasse em uma situação satisfatória".

Em relação à crise causada pela pandemia, o presidente lembrou que "em junho a temporada termina, e a KPMG dá os resultados" e nesta temporada "os grandes clubes perderão centenas de milhões". "Quando digo que eles estão arruinados, quero dizer por quê, e embora a maioria esteja arruinada, alguns não estão. Em todo caso, todos perdemos dinheiro: os maiores perdem mais, mas os pequenos também perdem".

Na conversa, Florentino Pérez voltou a defender o projeto da  Superliga. "Por que a Uefa tem que nos administrar? Isso não acontece nem na NBA, nem em torneios de tênis, nem em torneios de golfe", questionou ele. "A Superliga foi criada para jogar nos clubes com mais impacto e há espaço para todos", defendeu ele.

"Perdemos € 8 bilhões, e Ceferin (presidente da Uefa) aumentou seu salário", lamentou, observando que "há pessoas que têm privilégios e querem mantê-los". Segundo ele, a Uefa "já quis nos expulsar da Champions League, mas os tribunais o proibiram".

Em relação ao novo Santiago Bernabéu, ele fixou uma data para a conclusão dos trabalhos. "Até o final do próximo ano esperamos que tudo esteja terminado", disse ele, assegurando que "o público entrará quando puder porque o trabalho está projetado para continuar com ele, enquanto o time joga".