Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Futebol / Mais um capítulo

Parceira máster do Chelsea, Three suspende contrato após sanções contra Abramovich

Empresa britânica de telecomunicações é patrocinadora principal do clube londrino desde julho de 2020

Redação - São Paulo (SP) Publicado em 10/03/2022, às 17h00

Com o logotipo da Three na camisa, Trevoh Chalobah comemora o primeiro gol do Chelsea diante do Norwich - Reprodução / Twitter (@ChelseaFC)
Com o logotipo da Three na camisa, Trevoh Chalobah comemora o primeiro gol do Chelsea diante do Norwich - Reprodução / Twitter (@ChelseaFC)

O Chelsea entrou em campo nesta quinta-feira (10), data do aniversário de 117 anos do clube, para enfrentar o Norwich, em jogo válido pela Premier League. No espaço principal da camisa dos Blues, como ocorre desde o início da temporada 2020/2021, está o logotipo da empresa britânica de telecomunicações Three. Só que esta pode ser a última vez que a marca aparecerá no uniforme do time londrino.

Nesta quinta-feira (10), após o governo do Reino Unido sancionar o dono do Chelsea, o russo Roman Abramovich, e congelar a venda do clube, anunciada pelo próprio Abramovich na semana passada, a Three decidiu suspender o contrato de patrocínio por tempo indeterminado.

“À luz das sanções recentemente anunciadas pelo governo, solicitamos que o Chelsea Football Club suspendesse temporariamente nosso patrocínio ao clube, incluindo a remoção da nossa marca das camisas e do estádio até novo aviso”, afirmou um porta-voz da empresa.

A Three fechou com o Chelsea em janeiro de 2020, em meio à disputa da temporada 2019/2020, quando a patrocinadora máster do clube era a fabricante de pneus japonesa Yokohama Tyres. À época, ficou acertado que a empresa britânica passaria a ocupar o espaço principal da camisa dos Blues no início da temporada seguinte (2020/2021), com a companhia japonesa passando a ser “apenas” a marca oficial de pneus do clube.

Vale ressaltar que mesmo com o congelamento dos ativos de Roman Abramovich, o Chelsea poderá continuar operando de maneira normal graças a uma licença especial concedida pelo governo britânico. A medida garante que os jogos marcados sejam cumpridos, os funcionários sejam pagos e os titulares de ingressos possam assistir às partidas.