Premier League ganha na Justiça direito de receber R$ 1,2 bi de emissora chinesa

A Suprema Corte de Justiça do Reino Unido decidiu que a emissora chinesa PP Sports deve pagar os £ 157 milhões (R$ 1,2 bilhão) que deve à Premier League. A PP Sports é propriedade da Suning, empresa com sede em Hong Kong.

A Premier League rescindiu contrato com a emissora em setembro de 2020 apenas um ano após início do acordo que era válido por três temporadas para a transmissão do campeonato na China.

A justificativa foi que os pagamentos parcelados estavam atrasados, totalizando quase £ 157 milhões. O primeiro pagamento era previsto para março, duas semanas antes de a temporada de 2019/20 ser interrompida por causa da pandemia.

A Justiça decidiu que a Premier League tinha direito a um “julgamento sumário” que é quando o réu “não tem perspectiva real” de se defender de uma ação. Segundo a decisão da corte, “nenhuma defesa” da PP Sports tinha outro intuito do que “perspectivas fantasiosas de sucesso”.

O contrato de transmissão havia sido assinado em 2016 e tinha o valor de £ 564 milhões (R$ 4,287 bilhões). O montante representava 12 vezes mais que o parceiro anterior, a Super Sports Media, pagava.

O acordo concedeu o serviço de streaming PPTV o direito de transmitir os 380 jogos da Premier League por temporada na China. Era o maior contrato de direitos de transmissão assinado pela liga no exterior.

Após rescindir com a PP Sports, a Premier League assinou com a gigante digital chinesa Tencent um acordo provisório, válido por uma temporada, cobrindo 2020/21.

Em julho, a liga britânica fechou contrato exclusivo de quatro anos com a plataforma de streaming iQiyi Sports. O compromisso é válido até 2024/25. Posteriormente, a empresa sublicenciou os direitos de streaming para a China Mobile.

O acordo emergencial com a Tencent e o atual contrato com a iQiyi Sports valem significativamente menos do que o montante que a PP Sports iria pagar. Apesar disso, segundo o site The Athletic, a Premier League está “muito satisfeita” com a decisão do Supremo Tribunal, pois ela irá trazer o valor que esperava arrecadar com a parceria original.