Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Futebol / Indecisão

Reunião na segunda-feira com governo definirá futuro do Paulistão

Redação Publicado em 11/03/2021, às 20h44

Imagem Reunião na segunda-feira com governo definirá futuro do Paulistão
Paulistão tem feito campanha pela vacinação antes dos jogos, mas não quer seguir ordem do governo de parar a competição
Divulgação FPF

A Federação Paulista de Futebol (FPF) fará uma reunião com o governador de São Paulo na próxima segunda-feira (15), às 9h, para decidir se o Campeonato Paulista poderá continuar sendo realizado, mesmo com a decisão do governo de impedir a organização de competições esportivas em todo o estado pelo menos até o final do mês de março para tentar frear o caos na saúde causado pelo estouro de casos de contaminação pelo coronavírus.

“O Governo do Estado de São Paulo convidou a FPF e o Ministério Público Estadual para uma reunião às 9h de segunda-feira, na qual será discutido o calendário de jogos a fim de que, juntos, encontremos uma solução viável para adaptar as próximas rodadas da competição. Após este encontro, no mesmo dia, às 15h, FPF e clubes se reunirão para definir o agendamento dos jogos”, afirmou em nota a entidade.

Desde a manhã desta quinta-feira (11), os clubes e a FPF começaram a estudar alternativas para continuar a disputa do Paulistão mesmo com o veto do governo estadual. A necessidade de manter o torneio em andamento para não sofrer com o corte de verbas da TV e de patrocínio é o que move principalmente os clubes e a entidade, que usam o argumento oficial de que o rígido protocolo seguido por eles é motivo suficiente para que o futebol não precise parar.

“A FPF e os clubes lamentam o gravíssimo nível que a pandemia de COVID-19 atingiu em São Paulo e no Brasil, com o alarmante aumento do número de casos e, principalmente, de mortes que estamos presenciando. A FPF e os clubes reiteram que o rigoroso Protocolo de Saúde da competição, aprovado e elogiado pelo Ministério Público e pelo Centro de Contingência do Coronavírus, oferece aos profissionais do futebol e a todos os funcionários dos clubes um nível de controle não encontrado em qualquer outra atividade econômica, com testagens seriadas e acompanhamento médico diário. Desde o reinício dos jogos no ano passado, foram mais de 35 mil testes realizados por árbitros, atletas, profissionais e funcionários dos clubes de São Paulo”, disse a federação na nota em que reafirmou o interesse em manter o Paulistão.

Uma das hipóteses aventadas até agora é de mandar partidas fora do estado para que o campeonato não pare. Há exatamente um ano, quando foi uma das primeiras entidades esportivas a paralisar sua competição, a FPF adotou discurso completamente distinto. A entidade, porém, perdeu cerca de 30% de sua receita com a pandemia, segundo declarou naquela época o presidente Reinaldo Carneiro Bastos em entrevista à Máquina do Esporte no começo da pandemia, em abril de 2020 (veja abaixo).