Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Futebol / Deu ruim

STJD libera torcida para o Flamengo e racha clubes

Erich Beting Publicado em 05/08/2021, às 13h14

Imagem STJD libera torcida para o Flamengo e racha clubes
Decisão do STJD diz que Flamengo poderá voltar a ter público em seus jogos como mandante no Brasileiro e Copa do Brasil
Divulgação/Maracanã

Mais um racha está instaurado no futebol brasileiro. E, agora, a ruptura pode comprometer até mesmo a união em torno da criação de uma liga nacional de clubes. Na tarde desta quarta-feira (4), o Flamengo conseguiu que o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) determinasse que o clube poderá vender ingressos para os jogos em que atuar como mandante nas competições organizadas pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

A decisão do STJD permitirá que o Flamengo já consiga ter torcedores nos jogos do Brasileirão, contrariando um acordo informal feito pelos clubes de aguardar uma determinação da CBF para garantir uma “equidade” de tratamento a todos os clubes. A ideia original era de que somente a partir do returno do Brasileiro os times voltassem a ter torcida nos estádios.

O parecer dado pelo STJD revoltou os clubes paulistas, que publicamente se manifestaram, via redes sociais, contra a decisão e acusaram o Flamengo de descumprir o acordo apalavrado entre os times. Corinthians, Palmeiras, Red Bull Bragantino, Santos e São Paulo emitiram um comunicado com o mesmo texto, em que criticaram o time rubro-negro.

“É de conhecimento público que os clubes da Série A, conjuntamente, em reunião do conselho técnico, decidiram que a retomada do público nos estádios somente aconteceria após definição de seu colegiado, e essa decisão deve ser respeitada”, afirmaram os clubes em posts publicados nos perfis do Twitter.

Mas enquanto os times de São Paulo esbravejaram, outros foram atrás do órgão judiciário do esporte para buscar os mesmos direitos. Na manhã desta quinta-feira (5), o Atlético-MG já entrou no STJD com um pedido para também ter o público liberado antes de qualquer decisão da CBF.

A entidade máxima do futebol brasileiro ainda pode recorrer da decisão, algo que deve acontecer ainda nesta quinta. Até lá, porém, o racha entre os próprios clubes, que nos últimos meses vinham demonstrando uma união maior, está instaurado.

Essa não é a primeira vez que a discussão sobre volta de torcedores aos estádios racha o futebol. No ano passado, o Flamengo tentou antecipar o retorno dos torcedores, mas ficou isolado e viu o caso tornar-se público por meio de uma discussão pública em que o então presidente da CBF, Rogério Caboclo (atualmente afastado após denúncia de assédios moral e sexual contra uma funcionária), afirmar que o Flamengo poderia jogar sozinho se quisesse.

Desde então, o caos político está instaurado no futebol nacional, o que culminou, em junho, na implosão da CBF. Primeiro com o afastamento de Caboclo e, na sequência, com a exigência dos clubes em ter mais poder de voto e com o anúncio da criação de uma liga.

O Flamengo não comentou publicamente sobre a decisão do STJD, mas já decidiu que não colocará à venda ingressos para o próximo jogo como mandante, no final de semana, contra o Internacional. O motivo é a logística para a operação de jogo funcionar, já que o time teria de mudar a partida para Brasília. O Maracanã não tem sido usado para os jogos com público, uma vez que a prefeitura do Rio de Janeiro liberou o estádio para apenas 10% da capacidade, algo que o Flamengo considerou “economicamente insustentável”.