Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Futebol / Depois de 11 sedes...

Uefa descarta repetir formato itinerante da Euro 2020

Redação Publicado em 12/07/2021, às 16h50

Imagem Uefa descarta repetir formato itinerante da Euro 2020

A experiência de realizar a Euro em diversas sedes não acontecerá novamente. Pelo menos enquanto Aleksander Ceferin for presidente da Uefa. Os jogos da Euro 2020 foram disputados em Londres, Glasgow, Amsterdã, Copenhague, São Petersburgo, Sevilha, Munique, Baku, Roma, Bucareste e Budapeste.

"Não é correto que algumas equipes tenham que viajar mais de 10 mil quilômetros, enquanto outras têm que percorrer apenas mil quilômetros", disse ele à BBC. Ceferin tem sido categórico a esse respeito, afirmando que "não apoiaria" a repetição do formato em uma futura edição da Euro por ser um projeto "desafiador demais".

"Não é justo para os fãs, que tinham que estar em Roma um dia e em Baku no dia seguinte, depois de um voo de quatro horas e meia", acrescentou o mandatário. Além disso, Ceferin lembrou que "tivemos que viajar muito, para países com jurisdições diferentes, moedas diferentes, países da União Europeia (UE) e fora da UE, portanto não foi fácil".

"Foi um formato que foi decidido antes de eu chegar (ao cargo) e respeito isso. É uma ideia interessante, mas é difícil de implementar, e não acho que vamos fazer isso novamente", disse Ceferin.

Os finalistas Inglaterra e Itália jogaram suas três partidas da fase de grupos em casa, em Londres e Roma, respectivamente. A Inglaterra chegou à final tendo viajado 3.874 quilômetros, enquanto a Itália percorreu 4.714 quilômetros. A Suíça, por outro lado, teve que percorrer 15.485 quilômetros.

Apesar das dúvidas sobre o formato, Ceferin fez uma avaliação geral positiva, observando que "foi uma Euro especial". "Lembrarei disso como o início da normalidade e o retorno dos fãs", acrescentou o dirigente, que também aproveitou a oportunidade para valorizar os protocolos de segurança, lamentando as acusações de infecção por coronavírus nas partidas "sem nenhuma evidência".