Liga NESCAU

Liga Nescau adotará modelo híbrido em 2021

por Redação
A
A

A Nestlé decidiu aplicar, em 2021, os aprendizados do ano de 2020 para o maior investimento que a empresa faz em marketing esportivo no Brasil. A partir do próximo ano, a Liga NESCAU, competição estudantil promovida pela marca de achocolatado da companhia, será off-line e também on-line.

A decisão foi tomada pela empresa após o relativo sucesso obtido com a edição de 2020 da liga, que por conta da pandemia precisou migrar inteiramente para o ambiente digital. Dessa forma, o torneio, que antes ficava restrito a poucas praças, ganhou maior capilaridade, atingindo 71 cidades em todo o Brasil e 2.171 crianças.

publicidade

"Pode ter certeza que traremos novidades (para 2021) e, se tudo der certo, vamos conectar a competição física e a virtual para crescer ainda mais e colocar mais pessoas para fazer esporte", afirma Abner Bezerra, head de marketing de Nescau.

De acordo com o executivo, essa transformação da liga para o ambiente digital acabou dando novas possibilidades e abrindo novos horizontes para a marca, que buscou parceria com coreógrafos renomados e atletas para estimular os jovens a participar da competição. E, no final das contas, a Liga 2020 mostrou para a Nestlé um novo propósito para a realização da competição estudantil.

publicidade
Liga NESCAU em 2021 acontecerá de maneira híbrida
Crédito: Reprodução
Liga NESCAU em 2021 acontecerá de maneira híbrida
publicidade

"Uma das novidades desse ano que foi muito legal foi a plataforma de dança. A gente tem um monte de atividade além do esporte tradicional, com o objetivo de conectar não só quem é apaixonado por esporte, mas quem não é tão engajada, que nunca pensou que dança de salão é um esporte, por exemplo. Dentro desse pilar de prática esportiva, a gente quer o máximo de gente, quer ser um grande teste vocacional esportivo e estimular essa vivência e experiência entre as modalidades".

Levar a liga também para o ambiente digital era um desejo antigo da equpe de marketing de NESCAU, que acabou se vendo forçada a reinventar o projeto do evento. Em 2020, um grande investimento em tecnologia foi feito para criar uma vila olímpica digital, em que as competições e os eventos ao vivo nos sábados eram realizados. O participante passeava pelo espaço virtual e participava das ações.

"A gente sempre procurar criar um ambiente divertido, onde a criança tenha experiências legais, com lembranças de quando foram para a liga, quando disputaram o torneio, da torcida... No ambiente digital, queremos que ela fique com a lembrança de como foi gravar a performance do basquete, da dança, estar junto com os pais e mandar o vídeo para a disputa da liga", complementa Abner.

publicidade

Futebol inicia pressão por nova paralisação