Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Motor / Mercado

EUA "crescem o olho" na F1 e podem ter terceira prova, em Nevada, em 2023

Mercado americano tem sido um dos principais focos da Liberty Media para impulsionar categoria

Redação - São Paulo (SP) Publicado em 25/10/2021, às 09h34

Fórmula 1 esteve em Austin, no Texas, neste final de semana, para a disputa do GP dos Estados Unidos - Reprodução / Twitter (@F1)
Fórmula 1 esteve em Austin, no Texas, neste final de semana, para a disputa do GP dos Estados Unidos - Reprodução / Twitter (@F1)

Este final de semana marcou mais uma edição do Grande Prêmio dos Estados Unidos de Fórmula 1, disputado no Circuito das Américas, em Austin, no Texas. Com 400 mil fãs no autódromo entre sexta, sábado e domingo, a prova superou os 351 mil de 2019 e mostrou que o público americano está cada vez mais ligado na principal categoria do automobilismo mundial.

Números como esses comprovam as atenções da F1 cada vez mais voltadas para o mercado americano. Neste ano, foi confirmada uma segunda prova no país para 2022, em Miami, na Flórida, ao redor do Hard Rock Stadium, do Miami Dolphins. E, agora, graças a um governador, surgiu a notícia de que, em 2023, pode haver uma terceira corrida em solo americano.

De acordo com Steve Sisolak, governador do estado de Nevada, onde fica, por exemplo, a icônica cidade de Las Vegas, há conversas em andamento com a Fórmula 1 e a Liberty Media, gestora da categoria desde 2017, que é americana e tem sede na cidade de Englewood, no estado do Colorado.  

“Tive a oportunidade de me encontrar recentemente com os líderes da Fórmula 1 e apreciei nossa conversa com relação a este tópico. Já disse isso e direi novamente: o estado prateado [por ser um grande produtor de prata] está rapidamente se tornando um local de grande entretenimento, assim como a capital dos esportes”, afirmou Sisolak, em entrevista ao site especializado GrandPrix.com.

Vale ressaltar que Las Vegas já chegou a receber a Fórmula 1 durante dois anos, em 1981 e 1982. Batizada de Caesars Palace Grand Prix, a prova decidiu o Mundial de 1981 a favor do brasileiro Nelson Piquet, que chegou em quinto lugar e garantiu o título daquele ano, o primeiro dele na F1, ficando um ponto à frente do argentino Carlos Reutemann.