Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Motor / Homenagem

Rebeca Andrade dará bandeirada final do GP de São Paulo de F1

Ginasta será a terceira personalidade e segunda atleta a realizar gesto que simboliza final de corrida

Redação - São Paulo (SP) Publicado em 05/11/2021, às 08h40 - Atualizado às 08h42

Rebeca Andrade se unirá a Pelé e Gisele Bündchen na lista de personalidades que deram bandeirada em Interlagos - Ricardo Bufolin / CBG
Rebeca Andrade se unirá a Pelé e Gisele Bündchen na lista de personalidades que deram bandeirada em Interlagos - Ricardo Bufolin / CBG

A organização do Grande Prêmio de São Paulo de Fórmula 1 definiu quem será responsável por dar a bandeirada de chegada na prova que será realizada no próximo dia 14 de novembro. A ginasta Rebeca Andrade, primeira mulher brasileira a conquistar duas medalhas em uma Olimpíada (ouro no salto e prata no individual geral) e primeira a receber duas medalhas em um Mundial de Ginástica (ouro no salto e prata nas barras assimétricas), foi a escolhida para a tarefa. Segundo a organização, o gesto será uma homenagem às conquistas internacionais do esporte brasileiro.

“Eu saí do meu corpo e voltei quando recebi o convite. Um sinal de respeito, uma homenagem às minhas vitórias. Eu nem consigo achar palavras para descrever o que estou sentindo. Nunca pensei que tivesse tantas oportunidades. Eu sempre lutei muito para me colocar como mulher e pela comunidade preta e usar bem esse ‘poder‘ que o esporte me deu. Estou muito feliz”, disse Rebeca.

Rebeca será apenas o segundo atleta de outro esporte a dar a bandeirada em Interlagos. Antes dela, o Rei do Futebol, Pelé, foi o responsável por simbolizar a vitória de Michael Schumacher no GP do Brasil de 2002. Além dos dois, a modelo Gisele Bündchen foi a terceira pessoa não ligada ao universo da F1 a colocar um ponto-final a uma prova, no GP de 2004.

Paulista de Guarulhos, a ginasta de 22 anos revela ter o ídolo Ayrton Senna como uma fonte de inspiração para ela. Mesmo tendo nascido cinco anos após a morte do tricampeão, a campeã olímpica e mundial diz que o exemplo de dedicação de Senna a motiva.

“As coisas que ele fez, como se portava, como pensava. Eu me espelhei muito nele. Há duas frases dele que eu gosto bastante: ‘Se você quiser ser bem-sucedido, tem que ter dedicação total, buscar seu último limite e dar o seu melhor‘. É uma coisa que eu faço todos os dias porque é meu trabalho e porque quero inspirar outras pessoas. Mas também faço muito por mim. A outra é: ‘Seja você quem for, qual for a posição social que você tenha na vida, a mais alta ou a mais baixa, tenha sempre como meta muita força e muita determinação, e sempre faça tudo com muita força e muita fé em Deus, que algum dia você vai chegar lá‘. Eu me identifico muito com isso”, declarou a ginasta.