Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Motor / Sustentabilidade

Santander retoma patrocínio à Ferrari e volta à F1 após quatro anos

Patrocinador máster da escuderia de 2010 a 2017, banco reiniciará parceria com foco na sustentabilidade

Redação - São Paulo (SP) Publicado em 21/12/2021, às 16h22

Santander foi patrocinador máster da Ferrari de 2010 a 2017 e investiu cerca de € 320 milhões na equipe no período - Reprodução
Santander foi patrocinador máster da Ferrari de 2010 a 2017 e investiu cerca de € 320 milhões na equipe no período - Reprodução

O Santander anunciou, nesta terça-feira (21), um acordo de patrocínio com a Ferrari. Pelo contrato, a logomarca do banco terá visibilidade nos carros dos pilotos Charles Leclerc e Carlos Sainz, assim como nos bonés de toda a equipe e nos kits de corrida. Como parte da parceria, o Santander ainda oferecerá à escuderia italiana soluções para apoiar os planos da equipe de ser neutra em carbono até 2030.   

"Estamos muito entusiasmados por trabalhar com a Ferrari novamente e apoiá-la em sua transição verde. O Santander está comprometido com a luta contra as mudanças climáticas e, como a empresa líder de financiamento de automóveis na Europa, chegamos para ajudar com a construção de uma indústria automotiva sustentável. Esta aliança com a Ferrari vai acelerar o desenvolvimento das duas empresas nessa área", destacou Ana Botín, presidente do Santander.

“É uma honra ter como parceiro um líder financeiro global como o Banco Santander, que também se destaca por sua responsabilidade, sua liderança global no financiamento de energias renováveis ​​e na assessoria em projetos ESG [governança ambiental, social e corporativa, na sigla em inglês]. Agradecemos ao banco por seu apoio em alcançar nossa meta prioritária de alcançar a neutralidade de carbono até 2030. As grandes inovações e avanços tecnológicos da F1 são transportados para toda a indústria, beneficiando a sociedade como um todo”, celebrou John Elkann, presidente da Ferrari.

Desde 2020, o Santander é carbono neutro em suas próprias atividades e, até 2050, tem a ambição de alcançar emissão líquida zero para todas as emissões dos seus clientes derivadas de qualquer serviço financeiro, assessoramento ou investimento que o banco oferece. A Ferrari, por sua vez, está racionalizando as operações logísticas das corridas com o transporte de menos peso e eliminação de plásticos de uso único, entre outras medidas. Em 2021, a escuderia conquistou a Acreditação Ambiental de três estrelas da Federação Internacional de Automobilismo (FIA).

Apesar do novo foco na sustentabilidade, a F1 não é novidade para o Santander. O banco fez parte da principal categoria do automobilismo mundial de 2007 a 2017 e manteve um acordo de patrocínio máster com a própria Ferrari de 2010 até decidir deixar a Fórmula 1 no final de 2017. À época, a empresa divulgou que, nos oito anos de parceria com os italianos, investiu cerca de € 320 milhões na equipe.