1000º de Ceni prevalece sobre SPFC x Corinthians

Clássico da última quarta não bateu números obtidos com Rogério Ceni

Clássico da última quarta não bateu números obtidos com Rogério Ceni

Qual hipótese tem mais capacidade para levar torcedores ao estádio: partida que marca o milésimo jogo de um ídolo ou clássico contra o maior rival que rende a liderança do campeonato? O São Paulo, no empate por 0 a 0 com o Corinthians, na noite da última quarta-feira (21), comprovou que a primeira opção seduz mais o público.

Ao empatar com o rival alvinegro, a equipe tricolor conseguiu a liderança temporária do Campeonato Brasileiro e atingiu novo ápice nas bilheterias. Com renda líquida de R$ 1 milhão, ou seja, quando já foram descontadas as despesas com manutenção do Morumbi e taxas, o São Paulo teve o segundo jogo mais lucrativo do ano na elite nacional.

O primeiro lugar nesse quesito ainda pertence à vitória por 2 a 1 sobre o Atlético-MG, quando o jogo não foi exatamente a maior atração do dia. Naquela data, 7 de setembro, Rogério Ceni completou mil partidas disputadas com a camisa são-paulina e deu ao clube recordes de público, arrecadação e receita líquida entre toda a primeira divisão.

A comparação deve considerar que, embora ambos os confrontos tenham sido realizados em quartas-feiras, horário e data fizeram alguma diferença. A maior bilheteria da temporada foi conquistada em um feriado nacional, às 16h, enquanto o duelo contra o Corinthians foi realizado em dia útil, às 21h50, com previsão de leve garoa.

De qualquer maneira, o clássico entre São Paulo e Corinthians consolidou a dupla paulista como a que mais lucra com bilheterias no Brasileiro. O primeiro embolsou R$ 1,2 milhão e R$ 1 milhão diante de Atlético-MG e Corinthians, respectivamente, enquanto o segundo completa a lista dos cinco primeiros, com as partidas contra Cruzeiro (R$ 910 mil), Flamengo (R$ 903 mil) e Internacional (R$ 842 mil).

O levantamento feito pela Máquina do Esporte levou em consideração todas as partidas de Campeonato Brasileiro, Copa Kia do Brasil e Estaduais - em relação ao último, apenas jogos dos 20 membros da primeira divisão foram registrados. Os números são fornecidos pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) em boletins financeiros.