Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Acordo do UFC com a Reebok vai dar dinheiro a ONG brasileira

Luta Pela Paz, projeto criado no Rio de Janeiro, terá parte dos lucros de vendas

Erich Beting - São Paulo (SP) Publicado em 03/12/2014, às 14h35

Imagem Acordo do UFC com a Reebok vai dar dinheiro a ONG brasileira

A aclamada parceria entre UFC e Reebok para o desenvolvimento de produtos de uma linha de artes marciais para academias de ginástica vai beneficiar uma ONG brasileira.

No anúncio do contrato de seis anos de exclusividade para o fornecimento de material esportivo ao UFC, a Reebok confirmou que parte das vendas será destinada à Luta Pela Paz, projeto criado no Rio de Janeiro pelo antropólogo inglês Luke Dowdney para auxiliar crianças carentes a partir da prática de artes marciais.

Leia mais:
Reebok faz nova investida no esporte e fecha com o UFC por seis anos
Análise: Reebok mira o alto investimento para ganhar o atleta de academia

No último dia 25 de novembro, a Reebok anunciou a compra da Luta Sportswear, marca criada por Dowdney para auxiliar o projeto. Parte da verba arrecadada com a venda dos produtos para lutas era destinada à ONG. A compra da empresa foi o primeiro passo dado pela Reebok na nova investida dentro do mercado de lutas. 

"A parceria com a Reebok é incrivelmente excitante para a nossa organização e este acordo com o UFC vai ser ainda mais positivo, pois dará mais alcance a nossa parceria. A parceria da Reebok com o UFC vai nos ajudar a crescer ainda mais internacionalmente e disseminar a missão da Luta pela Paz", afirmou Dowdney.

Agora, com a potencialização do negócio a partir da parceria com o UFC, a tendência é que a ONG consiga arrecadar ainda mais dinheiro e ampliar os projetos de assistência social.

"Esta parceria é muito mais do que um contrato de licenciamento. Ela também aproveitará o alcance global de ambas as marcas para beneficiar jovens de todo o mundo, especialmente aqueles que têm risco de se envolver em algum crime ou violência", disse Matt O’Toole, presidente da Reebok.