África do Sul ratifica redução de turistas na Copa

Com queda de turistas, africanos foram maioria na Copa de 2010

Com queda de turistas, africanos foram maioria na Copa de 2010

A Fifa já havia anunciado, ainda em julho, que a Copa do Mundo de 2010 havia representado um decréscimo de público nos estádios em comparação com a edição de 2006, realizada na Alemanha. Quase seis meses depois do término do torneio na África do Sul, a agência oficial de turismo do país africano divulgou dados sobre o contingente de turistas que viajou ao local para ver a competição. E também atestou uma queda.

A Copa do Mundo de 2010 levou 309.554 estrangeiros à África do Sul. O número é inferior aos 450 mil que o país havia estimado anteriormente, e ainda representa uma retração em comparação com edições anteriores. O torneio vinha passando de 400 mil visitantes desde 1994, quando foi realizado nos Estados Unidos, e chegou a dois milhões de viajantes em 2006, na Alemanha.

E a maioria dos turistas que foram à África do Sul ainda foi formada por vizinhos. O continente com maior fluxo de turistas foi justamente a África, que respondeu por 32% dos que visitaram o país da Copa. A Europa mandou 24% das pessoas, e o continente americano enviou 13%.

Por conta disso, aliás, 80% dos turistas que foram à África do Sul para a Copa do Mundo eram neófitos no torneio. Entre os que já haviam acompanhado uma edição in loco, 41% eram da Europa.

Em menor número, os europeus ainda foram responsáveis pela maior fatia dos gastos de turistas na África do Sul durante a Copa. Visitantes do Velho Continente investiram 954 milhões de rands (R$ 238,5 milhões), mais do que os 641,1 milhões de rands das Américas (R$ 160,2 milhões).

O gasto total de turistas na África do Sul durante a Copa do Mundo foi de 3,64 bilhões de rands (R$ 910 milhões). O gasto médio durante a viagem ficou em torno de 11,8 mil rands (R$ 2,95 mil) por pessoa.

Entre os gastos, compras (31%) e acomodação (20%) responderam por mais da metade do que os turistas deixaram na África do Sul. Comida e bebida representaram 19%, o lazer concentrou 16% do investimento e o transporte foi 11% do custo – os 2% restantes devem-se a outros gastos.

A Copa do Mundo de 2010 foi a primeira edição da história a ser realizada no continente africano. O torneio teve pouco mais de três milhões de espectadores nos estádios, e representou um incremento de 1% na economia da África do Sul. O país investiu 33,65 bilhões de rands (R$ 8,4 bilhões) na preparação para o evento.

“Nossa indústria de turismo e nossos cidadãos nos deixaram orgulhosos. E, baseado nos resultados do turismo sobre a Copa do Mundo de 2010, posso dizer que o sucesso do evento vai reverberar por muitos anos”, projetou Marthinus van Schalwyk, ministro do Turismo da África do Sul, em entrevista coletiva concedida no país-sede do evento.

Próxima sede da Copa do Mundo, o Brasil tem uma projeção ainda mais otimista do que a África do Sul. O país sul-americano fala em receber até 600 mil estrangeiros por conta do evento de 2014.