Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Anaf banca Diadora com "aval" da CBF

Anaf banca Diadora com "aval" da CBF

Gustavo Franceschini em São Paulo - SP Publicado em 20/02/2009, às 15h00

A polêmica sobre os uniformes dos árbitros, que ganhou espaço na imprensa depois do início da Copa Kia do Brasil, ganhou mais um capítulo importante nesta sexta-feira. Incomodada com a pressão feita pela CBF sobre os árbitros, que foram coagidos a vestir Penalty no meio de semana, a Associação Nacional dos Árbitros de Futebol (Anaf) se escora em um suposto aval da entidade para fazer valer um contrato com a Diadora. O argumento, apresentado por Jorge Paulo de Oliveira, presidente do órgão, é de que as negociações com a marca italiana só foram adiante, no fim do ano passado, pelo incentivo da CBF. Depois de um tempo, a entidade-mor do esporte parece ter mudado de opinião. ?Nós até publicamos a troca de e-mails no nosso site. O Sérgio Correa [presidente da Comissão Nacional de Arbitragem] fez reuniões com os executivos da Diadora e os autorizou a fecharem com a gente. Se não fosse isso, o negócio não teria ido adiante?, disse Jorge Paulo de Oliveira, em entrevista exclusiva à Máquina do Esporte. Segundo o site ?Voz do Apito?, que representa a Anaf na internet, Juliano Colares, supervisor de marketing da Diadora, enviou uma minuta de contrato para Correa, avisando que os uniformes seriam trazidos da Itália imediatamente. Na sequência, o responsável pela arbitragem na CBF teria respondido positivamente ao pedido. ?Dentro do que foi tratado e em conformidade com as exigências Fifa sobre uniformes, da parte da CA-CBF está de acordo e, neste momento, apenas a parte formal da entidade será respondida/assinada por quem de direito?, teria dito Sergio Correa, segundo o ?Voz do Apito?. Na prática, o dirigente tomou atitude distinta. Na última quarta-feira, data de estreia da Copa Kia do Brasil, todos os árbitros escalados foram informados de que a opção pela Penalty, tradicional fornecedora da CBF, seria a mais ?adequada?. A Anaf entendeu a atitude como coação. ?Olha, quando o presidente da Conaf liga para você e diz que acha bom você usar tal marca, por mais que ele tenha boas intenções, vai ser interpretado como um aviso?, disse Jorge Paulo, que ainda falou sobre a situação contratual entre CBF e Penalty. Segundo ele, o compromisso teria expirado no fim de 2008 e não teria sido renovado. A fabricante, no entanto, contesta a tese. Segundo a assessoria de imprensa da empresa, o compromisso com a CBF continua valendo normalmente. A entidade também foi procurada, sem sucesso, pela reportagem.