Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Análise: COI busca verba e também princípios com novos parceiros

Adalberto Leister Filho mostra que acordo entre COI e Toyota implica não só valores, como iniciativas da empresa

Adalberto Leister Filho - São Paulo (SP) Publicado em 16/03/2015, às 09h42 - Atualizado às 12h42

Imagem Análise: COI busca verba e também princípios com novos parceiros

Em tempos nebulosos na economia mundial, o COI (Comitê Olímpico Internacional) sai na frente ao fechar seu terceiro contrato de patrocínio de longo prazo. Na última sexta-feira, o comitê anunciou contrato com a Toyota até a Olimpíada de 2024, que ainda nem tem sede confirmada.

Por enquanto, três companhias, todas do Japão, acertaram compromisso com o comitê até daqui nove anos. Além da montadora de carros, figuram nesta lista Bridgestone e Panasonic.

Não é por acaso. Neste período, as multinacionais da terra do sol nascente irão lucrar com três Olimpíadas seguidas já programadas para a Ásia, um recorde do continente. Os Jogos de Verão de 2020 e os de Inverno de 2018 já têm sedes confirmadas, respectivamente, para Tóquio e Pyeongchang. Já a Olimpíada de Inverno de 2022 será necessariamente na Ásia, já que os dois finalistas, Pequim e Almaty, são de lá (a escolha será feita em 31 de julho).

Pelo acordo, a Toyota tem o direito de comercialização dos símbolos olímpicos no Japão desde já. A partir de 2017, poderá utilizar as marcas do COI em nível global. É um novo patamar para os negócios do comitê, que vendeu caro o privilégio de aceitar, pela primeira vez, que uma montadora de carros integrasse o programa TOP de patrocínio do Movimento Olímpico.

Anteriormente, fábricas de veículos entravam como parceiras apenas da Olimpíada. Foi o caso da BMW (Londres-2012), da Volkswagen (Socchi-2014) e será da Nissan (Rio-2016). Para que a tradição fosse alterada, o contrato com o COI abarcou valores. E também princípios.

A Toyota, segundo a imprensa japonesa, irá desembolsar US$ 835 milhões durante o contrato, o que significa um aumento de 317% no montante que uma empresa costuma pagar ao COI por uma parceria de oito anos.

Educação pelo esporte, promoção do espírito coletivo, defesa do entendimento internacional e da paz e busca pela excelência são alguns dos valores que o Movimento Olímpico agregam à marca japonesa.

A empresa, por outro lado, se comprometeu a desenvolver veículos mais sustentáveis e ecologicamente corretos. Também fará projetos que deixem um legado de mobilidade nas cidades e países que sediarem os eventos do COI.

Se concretizadas, as iniciativas acordadas por ambas as partes prometem fazer com que os patrocínios esportivos atinjam novo patamar.