Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Análise: Está na hora de Neymar se aposentar

Neymar Júnior não pode se restringir a ser o Juninho. Ele é Neymar. O Seu Ney já pode se aposentar em paz

Erich Beting - São Paulo (SP) Publicado em 06/06/2019, às 07h49 - Atualizado às 10h49

Imagem Análise: Está na hora de Neymar se aposentar

Peço desculpas ao leitor pelo nome Neymar, pelo terceiro dia seguido, estar no título da nossa coluna de opinião. Para tentar atrair ainda um pouco da atenção, também peço desculpas pelo sensacionalismo contido no título. 

Mas o fato é que chegou a hora de Neymar se aposentar!

Não, calma. Não estou falando do Neymar atacante cortado da seleção brasileira da Copa América. Ele mais uma vez torceu o pé direito e terá de ficar um tempo fora dos gramados para se recuperar. Quem sabe até seja melhor para ele. Sumir de cena e deixar a poeira baixar. Afinal, esse Neymar é o cara que tem um enorme potencial como jogador de futebol, mas que virou um ímã de confusão, muito graças ao comportamento impulsivo de quem está junto com ele e que o incentiva a fazer igual.

LEIA MAIS: Análise: Neymar ainda é um menino jogando bola

LEIA MAIS: Análise: Neymar já não vale o risco para marcas

O problema com o maior ícone do futebol brasileiro na atualidade está fora de campo. É para o Neymar pai que estou direcionando esta comunicação. Seu Neymar, ninguém nega que sua participação na construção da carreira do Juninho foi espetacular. Desde os tempos em que ia aos jogos com a filmadora para registrar os momentos brilhantes do menino de 7 anos de idade, sabemos que você é um pai dedicado e que só quer o bem do Júnior.

Mas, na boa, já deu!

Você já ficou milionário cuidando da carreira do Júnior. Ele já precisou ser afagado e protegido publicamente em várias ocasiões. Mas, agora, não dá mais para ter o mesmo comportamento de quando ele encantava nas quadras de futsal de Santos.

Neymar Júnior não pode se restringir a ser o Juninho. Ele é Neymar. E ponto. O senhor, Seu Ney, pode ser apenas o pai aposentado que curte a vida sem qualquer preocupação além de assistir o filho brilhar dentro de campo, comemorar as vitórias, chorar as derrotas e observá-lo construir uma carreira sólida dentro e fora de campo.

O que está acontecendo hoje com o Juninho não é culpa da mídia, dos aproveitadores ou de quem quer que seja. É um mero reflexo do superprotecionismo que nós, pais, muitas vezes damos aos filhos achando que isso é o que há de melhor para eles. Vai por mim, Seu Ney, o Juninho já cresceu tanto que ele fez seu nome ser famoso e conhecido no mundo todo, como um dia você queria isso para você como jogador.

Seu Neymar, não precisamos mais acompanhar nossos filhos quando eles se inserem no mercado de trabalho. Deixa o menino trabalhar! Traz gente que entende do negócio de gestão de crise para ajudá-lo e aproveita para curtir a aposentadoria!