Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Análise: NFL deve sempre ser visto de perto por profissional do esporte

Leia a opinião de Duda Lopes sobre a gestão da NFL

Duda Lopes - São Paulo (SP) Publicado em 30/01/2015, às 09h17 - Atualizado às 11h17

Imagem Análise: NFL deve sempre ser visto de perto por profissional do esporte

Pepsi é dona do halftime mais uma vez

Esqueça o que acontece dentro de campo; você não precisa ser um fã do futebol americano para ser um fã da NFL. Basta trabalhar com esporte e ter uma coisa em mente: a NFL tem 30 patrocinadores e, em 2013, essas parcerias somaram US$ 1,07 bilhão. Na atual temporada, quando estourou o escândalo de violência doméstica, zero foi o número de empresas que se retiraram da liga. Ou seja, alguma coisa de muito certo esses americanos fazem.

Um bom exemplo de como o Super Bowl é bem utilizado por organizadores e patrocinadores é a NFL Experience, que acontece na semana da partida na cidade onde ela será disputada. Neste ano, Phoenix, no Arizona, terá esse sub-evento do aguardado jogo.

O NFL Experience é um local em que há uma série de atrações ligadas ao futebol americano. Há disputa de jogos, clínica para os mais jovens, sessão de autógrafos com os jogadores, entre outras atrações.

O evento é uma propriedade de um dos patrocinadores, a GMC, da General Motors. Dentro dele, há uma exposição sobre a NFL, uma propriedade da Bridgestone. Para entrar no complexo, é necessário pagar US$ 35, mais uma renda para a organização.

Tanto o Super Bowl quanto toda a temporada da NFL tem uma série de eventos que valorizam os jogos. E cada patrocinador tem direito a um deles. Ou seja, a própria NFL oferece uma ativação aos seus parceiros que valerá para a marca e para si mesmo. Um exemplo mais famoso? O aguardado show do intervalo, que neste ano contará com Katy Perry, é um direito da Pepsi!

É um pequeno exemplo do por que a temporada de futebol americano é um porto seguro para empresas. Algo bem diferente do que nós vemos no esporte brasileiro.

Mas dá tempo, ainda!