Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Análise: patrocinadores fogem de publicidade com clubes brasileiros

Duda Lopes mostra como empresas ainda não enxergam clubes como plataforma de comunicação

Duda Lopes - São Paulo (SP) Publicado em 27/10/2014, às 09h06 - Atualizado às 11h06

Imagem Análise: patrocinadores fogem de publicidade com clubes brasileiros

Não é uma grande tradição – ainda – de empresas ativarem seus patrocínios a clubes no Brasil. Ainda assim, é estranho perceber como nem na publicidade convencional há essa associação, considerando que esse é um investimento constante das marcas que estão no futebol.

Mais estranho ainda é o fato de que isso não acontece em outras modalidades de patrocínio. Quem investe na seleção brasileira, por exemplo, pode passar anos sem uma ação de mínimo destaque com o time da CBF, mas certamente ela usará o time em sua comunicação convencional. Estará em anúncios em TV, jornais e também em mídia exterior.

Quando é clube, sumiço. Recentemente, houve pouquíssimas exceções. Em duas delas, há o uso de vários times patrocinados. Foi o caso da Caixa e da TIM, que possuem diversas equipes do futebol nacional.

Na Europa, isso é usado com bastante frequência. Para os clubes, isso tem uma importância significativa. Se para a empresa a publicidade é um modo de aumentar a associação com a equipe, no outro lado da corda fica uma maneira do próprio time se divulgar. Em grandes aeroportos do velho continente, por exemplo, é difícil não se deparar com anúncios envolvendo Manchester United, Barcelona, Paris Saint-Germain etc.

Provavelmente, o problema está na velha falácia da resistência de torcedores rivais. Talvez, para cair mais um tabu no marketing esportivo no Brasil, falte alguma marca ser mais ousada nesse sentido.