Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Análise: Reebok mira o alto investimento para ganhar o atleta de academia

Erich Beting comenta sobre os novos passos dados pela marca ao fechar com o UFC

Erich Beting - São Paulo (SP) Publicado em 03/12/2014, às 14h29

Imagem Análise: Reebok mira o alto investimento para ganhar o atleta de academia

O acordo de patrocínio da Reebok ao UFC recoloca a marca esportiva no trilho de sua própria história.

O grande crescimento da Reebok no mercado foi nos anos 80, quando a marca se popularizou junto com a febre das academias de ginástica. O tênis da marca virou sinônimo de calçado para usar nas academias.

Desde então, a Reebok cresceu a ponto de virar a número 2 no mercado dos EUA, atrás da Nike. Tinha não mais só o fitness, mas acordos parrudos, como com a NFL, a liga esportiva mais popular do país.

O tamanho e alcance da marca no território americano chamaram a atenção da Adidas, que comprou a marca e praticamente a “matou” no esporte de alto rendimento. Nos últimos tempos, a Reebok focou no fitness e viu a Under Armour crescer no vácuo que foi deixado por ela.

Agora, com o UFC, a marca volta a apostar no alto rendimento, só que o foco curiosamente é o mercado do praticante da modalidade esportiva. Se, com a NFL, a exposição da marca levava o consumidor a comprar os produtos, agora o caminho é outro. A Reebok aposta na força das academias. Não é o UFC o grande negócio. É, muito mais, o atleta amador, que verá, na chancela do UFC, o reconhecimento de um produto de qualidade feito pela marca.

A polarização do mercado entre Adidas e Nike tinha sufocado movimentos como esse feito pela Reebok. Muito mais do que a exposição na mídia, o que gera dinheiro às marcas é o consumo do atleta amador.