Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Após crise de Penalty com Rogério Ceni, São Paulo busca novo fornecedor

Empresa de material esportivo lançou camisa comemorativa do fim da carreira do goleiro, que prorrogou contrato por mais 6 meses

Erich Beting - São Paulo (SP) Publicado em 01/12/2014, às 10h46 - Atualizado às 12h46

Imagem Após crise de Penalty com Rogério Ceni, São Paulo busca novo fornecedor

A polêmica camisa da "despedida" de Rogério Ceni

Rogério Ceni decidiu adiar a aposentadoria, e o São Paulo decidiu sair em busca de um novo fornecedor de material esportivo. As duas decisões deixam ainda mais negativo o saldo de toda a polêmica envolvendo a divulgação de um evento, sem prévio conhecimento do clube e do atleta, em que seria apresentada a camisa para o último jogo de Ceni no São Paulo, feita pela Penalty.

O goleiro entrou com a camisa comemorativa na partida contra o Figueirense, a última do clube em seu estádio na temporada. O uso da camisa foi uma forma de não suspender o projeto, já que mais de 20 mil peças foram comercializadas.

Mas, também, foi de ter uma camisa em homenagem a Ceni, já que a permanência da Penalty, dada como certa no mês passado, agora é uma incógnita.

“Estamos em busca de um novo parceiro e a Penalty foi informada sobre isso”, disse à Máquina do Esporte Júlio Casares, vice-presidente de marketing do São Paulo.

Leia mais:
Além de uniforme, Rogério Ceni terá luva personalizada para adeus
Penalty já vendeu mais de 20 mil camisas de Rogério Ceni
Relação entre Penalty e São Paulo tem nova crise com Rogério Ceni
Penalty reduz faturamento com licenciados, mas lucra R$ 20 milhões
Em ação secreta, Bahia revela Penalty pouco antes de jogo contra o Grêmio

A busca pelo novo fornecedor se deu por conta da crise gerada pela divulgação de que Rogério iria se aposentar este ano. A Penalty ainda tenta contornar a situação, mas os dirigentes são-paulinos correm contra o tempo para achar uma marca que consiga atender o clube já em fevereiro.

O maior problema é, além da falta de orçamento das empresas (os principais gastos para o ano de 2015 já foram definidos), alguma que consiga atender à demanda de ter peças produzidas em apenas dois meses. As marcas pedem geralmente de três meses a meio ano para produzir as peças.

A definição sobre quem entra, porém, ainda está distante. E pode terminar sem novidades. Nos próximos dias novas reuniões devem agitar os bastidores.