Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Após fracasso da Itália, Puma sofre novo golpe na Liga dos Campeões

Marca alemã não tem representante nas oitavas de final da competição

Redação - São Paulo (SP) Publicado em 12/12/2017, às 16h13

Imagem Após fracasso da Itália, Puma sofre novo golpe na Liga dos Campeões

Foto: Reprodução

O ano de 2017 é daqueles para a Puma esquecer. Um mês depois de assistir à eliminação de sua principal seleção, a Itália, na repescagem para a Copa do Mundo da Rússia, a marca alemã assistiu à queda de todos os seus patrocinados na fase de grupos da Liga dos Campeões. No sorteio dos confrontos das oitavas de final, nesta segunda-feira (11), nada de Puma.

A esperança da marca, na verdade, se concentrava em apenas um clube, o compatriota Borussia Dortmund. Isso, por si só, já demonstra a falta de força da Puma no atual cenário do futebol europeu. Afinal, de 32 clubes, a marca só tinha um como parceiro.

Porém, havia a esperança de que o tradicional time de Dortmund fosse longe na competição, o que daria um respiro à marca. Não foi o que aconteceu. O clube deu vexame e conquistou apenas dois pontos em um grupo que teve como classificados Tottenham e Real Madrid.

Agora, sem representantes na principal competição de clubes do mundo e com sua principal seleção fora da próxima Copa, os olhos da Puma se voltam para Uruguai e Suíça, as duas únicas seleções parceiras da marca na Rússia 2018. Para se ter uma ideia da disparidade, a Adidas terá 12 representantes no Mundial, enquanto a Nike terá 10 seleções.

Adidas e Nike, aliás, também dominam completamente os 16 clubes classificados para as oitavas de final da Liga dos Campeões. A Nike tem sete representantes, um a mais que a arquirrival Adidas. Os três restantes são patrocinados pela surpreendente New Balance.

De volta ao assunto Puma, a marca alemã vem tentando dar uma resposta a essa série de reveses. Em novembro, anunciou que substituirá a Adidas como patrocinadora da seleção de Israel e ainda teve uma notícia veiculada pelo jornal britânico Daily Mail de que estaria fazendo uma proposta de 56 milhões de euros para barrar a Nike e vestir o Manchester City a partir da próxima temporada.

No entanto, também no mês passado, a imprensa alemã chegou a especular que a marca poderia até ser colocada à venda em breve. O motivo seria a concorrência cada vez mais difícil com as gigantes Nike e Adidas, o crescimento de marcas não europeias como a Under Armour na Europa e o ressurgimento da New Balance no cenário do futebol internacional.