Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Após polêmica com Kaepernick, Nike vê aumento de vendas

Houve manifestações contrárias, mas, no geral, ganhos da marca foram palpáveis

Duda Lopes - São Paulo (SP) Publicado em 11/09/2018, às 07h22 - Atualizado às 10h22

Imagem Após polêmica com Kaepernick, Nike vê aumento de vendas

Na última semana, a Nike arriscou: para celebrar os 30 anos do slogan Just Do It, apoiou o atleta Colin Kaepernick, pivô de toda polêmica que envolveu protestos de jogadores da NFL durante o hino dos Estados Unidos. E, apesar de manifestações contrárias ao posicionamento da companhia em postagens nas redes sociais, os ganhos da empresa foram palpáveis.

Leia Mais: Nike abraça protestos em celebração a próprio slogan

A empresa de pesquisa Edison Trends mediu o desempenho da Nike durante a semana seguinte ao anúncio de Kaepernick como embaixador da marca. A resposta foi bastante positiva: a marca teve um aumento de 31% nas vendas on-line.

Esse bom desempenho no varejo, mesmo que seja apenas uma parte do mercado, foi acompanhado com a subida do valor das ações da empresa. Logo após o anúncio da campanha, os títulos da companhia americana tiveram uma baixa expressiva, superior a 3%. Mas esta baixa durou pouco. Nesta segunda-feira (10), a marca já tinha praticamente igualado os valores pré-polêmica. Em pouco tempo, o caso Kaepernick pouco interferiu no valor de mercado da Nike.

De maneira geral, a empresa também se beneficiou da enorme repercussão que o caso atingiu. Uma agência especializada em mídias digitais, a 4CInsights, mediu o tamanho da campanha nas redes sociais. Nos dias seguintes, as citações à Nike subiram 1.678%, o que inclui também o tuíte provocativo do presidente americano Donald Trump questionando a decisão da marca.

Na última quinta-feira (6), a Nike foi além das redes sociais e aumentou o alcance da polêmica ao colocar na televisão um anúncio com Colin Kaepernick. “Louco não é um insulto, é um elogio”, dizia o atleta do futebol americano.

Leia Mais: Análise: Atitude: é isso o que o público deseja

Nem tudo foram boas notícias, claro. Nesta segunda-feira (10), vazou a informação de que os protestos contra a marca foram além do boicote de alguns internautas. O prefeito de Kenner, uma pequena cidade no estado de Louisiana, enviou um memorando ao diretor de parques e recreação do município para pedir a suspensão da compra de qualquer produto que tenha o logotipo da Nike.

O mesmo aconteceu numa faculdade da Georgia: o presidente da instituição de ensino resolveu ir a público para dizer que não permitiria mais a compra de produtos da Nike. Os materiais existentes da marca seriam vendidos, e a verba, doada.

Aparentemente, no entanto, nem prefeituras nem universidades nem internautas raivosos têm incomodado a Nike e as suas vendas após o polêmico comercial veiculado.

Leia Mais: Análise: Ação é menos ousada do que parece