Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Após ?verde?, Copa abandona seu lixo

Após ?verde?, Copa abandona seu lixo

Guilherme Costa em São Paulo - SP Publicado em 15/06/2010, às 08h00 - Atualizado às 11h00

Uma das marcas do projeto da Alemanha para sediar a Copa do Mundo em 2006 foi o projeto ?Copa verde?, conjunto de medidas que o país adotou para reduzir o impacto ambiental do torneio. Quatro anos depois, o tratamento dado ao lixo mostra que a questão ecológica não se tornou um debate constante na competição. Um dos pontos defendidos pela Alemanha para a ?Copa verde? era a coleta seletiva de lixo para reciclagem. Na África do Sul, em vez de latas específicas para cada material, o que se vê é falta até mesmo de receptáculos comuns. O resultado imediato disso é o acúmulo de lixo nas ruas ao redor dos estádios. Há equipes de limpeza do país trabalhando constantemente antes e depois dos jogos, mas isso tem sido insuficiente para acabar com todo o montante produzido. A situação é ainda mais curiosa no IBC (International Broadcasting Centre, espaço que reúne as emissoras que detêm direitos de transmissão do evento). O local contém latas para coleta seletiva, mas é comum ver total desrespeito aos materiais indicados pelas cores. O IBC tem outra situação inusitada: o número de latas de lixo é extremamente pequeno, mas há vasos sem plantas espalhados pelo complexo. Isso transformou as cer"micas pretas em depósitos de todo tipo de lixo (especialmente copos, latas e cigarros). O conceito de ?Copa verde? também está presente no projeto brasileiro para sediar o evento de 2014. Essa ideia deve nortear todas as reformas de estádios, que seriam feitas com intuito de reduzir impacto ambiental. Na Alemanha, por exemplo, arenas chegam a ter 50% de sua energia gerada por painéis de captação solar.