Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Asics anuncia novo presidente com 38 anos de experiência na Mitsubishi

Yasuhito Hirota é a aposta da marca japonesa para alavancar crescimento

Redação - São Paulo (SP) Publicado em 24/01/2018, às 09h23 - Atualizado às 11h23

Imagem Asics anuncia novo presidente com 38 anos de experiência na Mitsubishi

Foto: Reprodução / Twitter (@ASICSBrasil)

A Asics tem um novo presidente e diretor de operações. Após 38 anos de experiência na montadora japonesa Mitsubishi, Yasuhito Hirota chega à marca também japonesa de artigos esportivos como uma aposta para alavancar a empresa e colocá-la novamente em uma curva de crescimento, algo que não aconteceu nos últimos anos.

Aos 61 anos, Hirota passou boa parte da carreira na Mitsubishi, onde chegou a ser diretor do departamento de estratégia, diretor de compliance, diretor institucional, membro do conselho e vice-presidente executivo.

“É uma grande honra aceitar os cargos de presidente e diretor de operações da Asics, para trabalhar com Motoi Oyama e toda a equipe de gerenciamento da empresa. Estou pronto para continuar a construir o progresso global da Asics nos próximos anos”, afirmou Hirota.

“Após a análise do meu 11o ano como chefe da empresa, a decisão de ter um novo presidente foi tomada para que possamos avançar muito mais na estratégia que temos traçado para 2020”, revelou Motoi Oyama, CEO, presidente do conselho e até então presidente da Asics.

A mudança ocorre depois de dois anos em que as coisas não saíram como a marca japonesa imaginava. Em 2016, a Asics teve uma queda de 6,9% no faturamento em relação ao ano anterior, alcançando pouco mais de 3,3 bilhões de euros.

Entre janeiro e setembro de 2017, os números foram ainda mais preocupantes: faturamento de pouco mais de 2,4 bilhões de euros, ou seja, queda de 1% se comparado ao mesmo período do ano anterior.

Nos três primeiros trimestres de 2017, a empresa lucrou quase 203 milhões de euros, 3,5% a menos que no mesmo período de 2016. A maior queda em termos de vendas se deu na Europa, com 4,4% a menos e um faturamento de “apenas” 611,5 milhões de euros.

Com isso, o Japão e a América do Norte se mantiveram como os mercados que concentram a maior parte das vendas da marca.