Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Atletas criticam escolha de Ministro do Esporte

ONG de atletas mais influentes do país critica "barganha política" feita pelo governo

Redação - São Paulo (SP) Publicado em 29/12/2014, às 17h13

Imagem Atletas criticam escolha de Ministro do Esporte

A ONG "Atletas pelo Brasil", mais influente organização de ex-atletas do país, divulgou nesta segunda-feira uma nota de repúdio contra a escolha de George Hilton para Ministro do Esporte. Segundo a entidade, que é encabeçada por nomes como Raí, Bernardinho, Ana Mozer e Paula, o governo federal, mais uma vez, tratou a pasta como "barganha política" ao optar por Hilton, que é pastor evangélico, apresentador de TV e não tem qualquer relação com o esporte. 

"Exigimos muito mais respeito e cuidado com tudo que envolve o tema Esporte no Brasil. O que está muito longe de acontecer quando constatamos os critérios, ou a falta deles, que foram usados para a escolha do novo ministro", afirmou a entidade por meio de uma nota oficial.

Segundo a ONG, que desde 2009 tem atuado mais próximo do Ministério do Esporte, o governo não se preocupa com quem exerce a função de ministro.

"Infelizmente, há anos, o Ministério do Esporte é usado na barganha política. Não se trata de decidir quem seria a melhor pessoa para ocupar o cargo, mas qual partido o terá de acordo com as alianças e que decidirá a seu bel-prazer quem o representará. Nem mesmo uma familiaridade com o tema é observada, o que traz enormes prejuízos ao esporte e ao País em um setor que está à frente de um enorme investimento com os megaeventos esportivos", disse a entidade.

A escolha de Hilton foi feita pelo PRB, partido que "ganhou" o direito de nomear o responsável pela pasta. Essa é a primeira vez no governo do PT que um ministro do Esporte não é escolhido pelo PC do B.

"A nomeação com critério unicamente político, na maior parte das vezes, traz consigo o aumento da ineficiência de gestão, descontinuidade da política, reinício de convencimentos e processos e tudo isso com custo aos cofres públicos. Às vésperas das Olimpíadas, a Presidente Dilma abriu mão de uma oportunidade de melhorar a gestão do esporte. Decepcionou todo um setor de atletas, jornalistas, empresários, organizações, trabalhadores e amantes do esporte em geral", criticou a ONG.

A instituição também foi enfática ao dizer sobre a atuação dos governantes na formação de atletas, principal bandeira levantada pelos ex-atletas.

"Nós, atletas, não podemos mais ser mais usados simplesmente para fotos conjuntas em momentos de vitória nacional. Vamos ser francos, essas conquistas são muitas vezes obtidas a despeito da política esportiva, da legislação e da condução nacional do esporte. E, em alguns casos, encontrando até forças contrárias a dificultar o caminho. Se os governantes querem estar ao lado das vitórias, devem tomar consciência da sua enorme responsabilidade nas derrotas".