Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Banco do Brasil retoma patrocínio ao vôlei, mas estabelece condições

Parceiro da CBV desde 1991, banco condiciona continuidade de apoio à implantação de orientações da CGU

Adalberto Leister Filho - São Paulo (SP) Publicado em 19/01/2015, às 16h58

Imagem Banco do Brasil retoma patrocínio ao vôlei, mas estabelece condições

Seleção feminina joga com o logo do Banco do Brasil na camisa

A Confederação Brasileira de Vôlei conseguiu a retomada do patrocínio com o Banco do Brasil, após a assinatura de um aditivo ao contrato mantido com a estatal. Segundo o novo termo contratual, a CBV terá que seguir todas as orientações da CGU (Controladoria-Geral da União) em até 90 dias, além de medidas específicas pedidas pelo banco.

Parceiro do vôlei desde 1991, o Banco do Brasil havia interrompido o patrocínio após relatório da CGU apontar irregularidade na gestão do dinheiro público fornecido à confederação. Segundo apuração do órgão federal, os contratos somavam R$ 30 milhões em pagamentos realizados entre 2010 e 2013.

De acordo com a CGU, houve pagamento de supostas empresas fantasmas de genros do ex-presidente da CBV, Ary Graça, que hoje dirige a FIVB (Federação Internacional de Vôlei). O documento também apontou que houve bônus de performance que não foram pagos aos atletas da seleção brasileira. Em protesto, na época, equipes que disputam a Superliga de vôlei entraram em quadra usando nariz de palhaço.

Entre as cláusulas que a CBV teve que aceitar para a retomada do patrocínio estão novas normas para contratações, criação de um Comitê de Apoio ao Conselho Diretor da CBV, com participação de representantes da comunidade do vôlei. Também foi pedida a reformulação do Conselho Fiscal, a definição de parâmetros para pagamento de bônus de performance a atletas, a criação da Ouvidoria e a implementação de medidas que busquem ressarcir a confederação dos serviços contratados sem a devida comprovação da execução.

O banco, porém, ameaça não dar continuidade ao patrocínio caso todas essas medidas não sejam implementadas nos próximos três meses.