Banrisul assina com gaúchos e lança fundo

Investimento de torcedores ampliará valor pago pelo banco aos clubes

Investimento de torcedores ampliará valor pago pelo banco aos clubes

Cinco meses após o contrato de patrocínio que o Banrisul mantinha com Grêmio e Internacional expirar, em junho deste ano, um novo documento foi finalmente assinado, prolongando a parceria por pelo menos mais dois anos. A formalização da continuidade, que já era prevista pelos três lados, foi marcada pelo lançamento de produto.

O banco gaúcho apresentou na tarde da última quinta-feira (17) um fundo de investimentos disponível aos torcedores de ambas as equipes. Ao investir nesse plano, a torcida também fará com que os patrocínios sejam ampliados, pois parte da verba vinda do fã será repassada ao clube, e esse é o ponto mais ressaltado pelos dirigentes.

"É um produto do Banrisul, uma possibilidade nova do contrato vigente, que permite o lançamento de produtos com as marcas dos clubes, e isso faz com que a renda seja variável", explica Paulo César Verardi, diretor de marketing gremista. Essa espécie de negócio não era possível nos acordos anteriores, mas foi possibilitada na renovação.

O investimento a ser feito precisa ser superior a R$ 100, e o montante exato que será repassado aos times não foi revelado. "Nós conclamamos o nosso torcedor para que ele invista nesse produto, que tem uma rentabilização acima da inflação, e que dará bom retorno financeiro", disse Giovanni Luigi, presidente do Internacional, no evento.

A continuidade do Banrisul nas costas máster de Grêmio e Internacional já era dada como certa há várias semanas, e a permanência da marca nas camisas, mesmo sem contrato vigente, ilustrava bem a situação. O banco iniciou a parceria com a dupla em 2001, que só não é mais longa do que a união entre Unimed e Fluminense, existente desde 1999.

A instituição gaúcha chegou a ter a concorrência de outras empresas do ramo financeiro, como o BMG, mas conseguiu assegurar o negócio. O valor pago pela estatal tem sido aumentado gradativamente. O penúltimo contrato era de R$ 3,6 milhões anuais, e o último, de R$ 7 milhões. Os números do atual não foram revelados.