Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Burocracia barra patrocínio no Cruzeiro

Burocracia barra patrocínio no Cruzeiro

Guilherme Costa em São Paulo - SP Publicado em 12/01/2009, às 12h00

A burocracia para entrada no Brasil pode ser um fator decisivo na negociação de patrocínio para o Cruzeiro. O time mineiro conversa com uma empresa chinesa, mas executivos da companhia não conseguiram visto de entrada no país sul-americano. Sem condições de realizar uma reunião, a diretoria já admite uma mudança de foco. Na última semana, duas empresas que não estavam na lista inicial de prospecção do Cruzeiro começaram a conversar com o clube. Um desses contatos animou a diretoria, que já se vê muito próxima de um acerto. Contudo, o panorama não seria esse se não houvesse a burocracia de entrada no Brasil. ?Houve uma dificuldade de liberação dos vistos. Nós chegamos a interceder no consulado, mas não conseguimos até agora. Conversamos com esses empresários da China há algum tempo, e havíamos chegado a um acordo para fazer uma reunião na primeira semana de janeiro?, relatou Antônio Claret, diretor de marketing da equipe mineira. A situação dos empresários chineses tornou-se explicação no Cruzeiro para a morosidade na negociação de patrocínios. O argumento da diretoria mineira é que a maioria dos responsáveis por decisões em empresas está viajando ou vive período de férias ? a Fiat, uma companhias que fizeram proposta, tem essa situação. O Cruzeiro já até postergou o prazo final para a definição de um patrocínio. Apesar de estar otimista com a chance de acertar com uma das empresas que começaram a negociar na última semana, a diretoria admite que essa transação pode se alongar até o meio de fevereiro, depois do início do Campeonato Mineiro. ?Não acredito que o Cruzeiro fique o Estadual inteiro sem patrocínio. Se não tivermos algo até o lançamento da nova coleção feita pela Reebok, que será no dia 3 de fevereiro, devemos fechar algo até o fim de fevereiro. Não vamos esticar nada além disso?, projetou Claret.