Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Carabao rompe acordo de patrocínio com Flamengo

Empresa tailandesa de bebidas energéticas tinha contrato até 2022

Redação - São Paulo (SP) Publicado em 17/12/2018, às 17h47

Imagem Carabao rompe acordo de patrocínio com Flamengo

Em 2018, Carabao esteve nas mangas da camisa do Flamengo (Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)

Após dois anos de parceria, a marca de bebidas energéticas Carabao rompeu o contrato de patrocínio com o Flamengo. A informação foi divulgada pelo site "Globoesporte.com". Segundo a publicação, a empresa assinou um parcelamento de dívida com o clube entre R$ 5 milhões e R$ 6 milhões.

No fim de 2017, o acordo já teve que sofrer alteração. Pelo contrato inicial, a Carabao ficaria na manga no primeiro ano e, em 2018, assumiria o espaço máster do uniforme. Os valores eram de R$ 190 milhões por cinco anos de parceria.

No entanto, com vendas baixas e dificuldades no mercado brasileiro, a empresa tailandesa teve que mudar o contrato. A Carabao se manteve então nas mangas da camisa do Flamengo, com um acordo financeiro mais baixo.

Pelo novo contrato, a companhia pagaria R$ 10 milhões em 2018 e subiria os valores nos próximos anos. Sem conseguir arcar com os custos do patrocínio na temporada deste ano, a Carabao encerrou prematuramente a parceria.

A empresa tailandesa foi apresentada em janeiro de 2017, em evento com festa para o Flamengo. O presidente da época, Eduardo Bandeira de Mello, chegou a falar que a parceria duraria "muito mais do que seis anos". Mas, já no primeiro acordo, havia a cláusula de que a companhia poderia encerrar o contrato caso não chegasse a um número mínimo de venda de produtos no mercado brasileiro.

O problema da Carabao foi a distribuição. Sem um sistema consolidado como a de outras marcas no Brasil, a empresa conviveu com a ruptura nas gôndolas, o que tornava a exposição no Flamengo pouco útil. As latas da companhia tiveram dificuldades de chegar aos consumidores, especialmente fora do Rio de Janeiro.