Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

CBF veta nome da Allianz em estádio, mas depois volta atrás

Nome da empresa foi coberto antes de jogo do Palmeiras, mas já voltou ao normal ainda com a bola rolando

Erich Beting - São Paulo (SP) Publicado em 11/05/2015, às 08h13 - Atualizado às 11h13

Imagem CBF veta nome da Allianz em estádio, mas depois volta atrás

O jogo de abertura do Campeonato Brasileiro marcou a primeira gafe da CBF na organização da competição. Realizada no Allianz Parque, estádio do Palmeiras, a partida entre o clube paulista e o Atlético-MG chamou a atenção pela cobertura tosca do nome da Allianz, patrocinadora do estádio, nas placas que ficam nos portões de acesso para o gramado.

A decisão foi tomada para evitar que o nome da empresa aparecesse na transmissão da televisão. Durante a própria partida, porém, as coberturas foram arrancadas. Em nota divulgada em seu site no domingo, a entidade se justificou:

“A Confederação Brasileira de Futebol esclarece que o episódio ocorrido no sábado, na partida entre Palmeiras e Atlético Mineiro, em que o nome Allianz Parque chegou a ser coberto, ocorreu em virtude do excesso de zelo da empresa terceirizada encarregada dos procedimentos operacionais nos estádios. Vale ressaltar que o problema foi detectado e devidamente corrigido pela diretoria de marketing da CBF e não se repetirá nos jogos do Campeonato Brasileiro”, disse a entidade.

Curiosamente, o site da CBF chama o Allianz Parque de “Arena do Palmeiras” no título da notícia. A explicação da entidade ocorreu em virtude da repercussão do fato nas mídias sociais e especializada.

Ainda durante a partida, torcedores palmeirenses chegaram a intensificar nas redes sociais movimento de boicote à Globo, creditando à emissora a obrigação de cobrir o nome da Allianz. A Globo já não chama o estádio palmeirense pelo nome, o que faz com que o torcedor adote a sigla RGT nas redes sociais para se referir à emissora de televisão.

Ainda no sábado, o Palmeiras chegou a dizer que não tinha controle sobre o ocorrido, já que o veto partiria de CBF e Globo, que consideravam o nome da empresa de seguros uma propaganda ilegal durante a transmissão.

A Globo não se manifestou sobre o caso, tendo a CBF assumido a responsabilidade pelo veto.