Centro de mídia pode ser consolo paulistano

A cidade de São Paulo vai fazer lobby para que abrigue, em vez do jogo de abertura da Copa do Mundo de 2014, o Centro Internacional de Mídia (IBC) durante o mês do Mundial no Brasil. Esse é o trunfo que deve ser lançado pelo comitê paulistano na reunião que ocorrerá semana que vem para debater o novo estádio da cidade após o veto da Fifa ao Morumbi.

Na manhã desta quarta-feira, o prefeito paulistano, Gilberto Kassab, visitou as instalações do IBC de Johanesburgo, na África do Sul. O IBC é o local que recebe estúdios e equipes das emissoras de TV e rádio que detém os direitos de transmissão da Copa do Mundo. Na África, são mais de cem empresas instaladas no IBC, com milhares de jornalistas trabalhando no complexo.

"Vim para a África para acompanhar o evento de lançamento da logomarca brasileira [a cerimônia ocorre nesta quinta-feira, em Johanesburgo] e aproveitei para chegar alguns dias antes e conhecer a estrutura da Copa do Mundo", disse Kassab, que também já visitou o estádio Ellis Park, palco do primeiro jogo brasileiro na Copa do Mundo, contra a Coreia do Norte.

Segundo a Máquina do Esporte apurou, havia um acordo informal, firmado em 2007, entre as prefeituras de Rio de Janeiro e São Paulo com o Comitê Organizador Local da Copa para que os paulistanos abrigassem o jogo de abertura do Mundial e o Congresso Técnico da Fifa. Em troca, o Rio ficaria com o IBC e o encerramento do torneio. Agora, a cidade de São Paulo quer puxar para si o centro de imprensa. Em troca, abriria mão de receber a partida de abertur da competição, algo que ficou distante após o veto ao estádio do Morumbi.

"São Paulo está à disposição da Fifa para receber o IBC", afirmou Kassab durante a visita guiada pela chefe de operações do centro de imprensa.

A Fifa levou, em parceria com a HBS, empresa contratada para fazer toda a transmissão da Copa do Mundo, cerca de meio ano para montar o centro de mídia em Johanesburgo. O local, que abriga um centro de convenções próximo ao estádio Soccer City, será desmontado em até três dias após o término do Mundial.

O IBC reúne jornalistas de todo o mundo. Em 2006, na Alemanha, eram cerca de 15 mil pessoas frequentando todos os dias o local. Na África do Sul, o número de jornalistas presentes ao IBC chegou próximo a isso.