Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Clube que mais gastou nos últimos anos, Manchester City caminha para ter lucro

Clube, que faturou R$ 1,43 bi na última temporada, pagou multa à Uefa por não cumprir fair play financeiro

Adalberto Leister Filho - São Paulo (SP) Publicado em 18/12/2014, às 08h43 - Atualizado às 10h43

Imagem Clube que mais gastou nos últimos anos, Manchester City caminha para ter lucro

Aguero festeja gol contra a Roma pela Liga dos Campeões

Clube que mais gastou no mundo de 2008 para cá, o Manchester City caminha para finalmente se tornar um clube sustentável. Segundo Khaldoon Al Mubarak, presidente do time, a agremiação está superando “um período de forte investimento” que foi necessário nos anos iniciais de investimento para tornar a equipe competitiva.

O atual campeão da Premier League registrou prejuízo de R$ 94,35 milhões na última temporada. Esse montante inclui uma multa de R$ 66,75 milhões por não seguir as regras da Uefa de fair play financeiro. O time também foi obrigado a inscrever apenas 21 jogadores para a Liga dos Campeões.

“O clube está no momento em que esperávamos alcançar quando começamos os as transformações há seis anos. Atravessamos o período de fortes investimentos necessários para fazê-lo competitivo. O crescimento comercial que estamos vendo hoje irá apoiar e sustentar nossas operações no futuro”, explicou Al Mubarak.

O sheik Mansour bin Zayed Nahyan investiu cerca de R$ 4,12 bilhões no clube desde que comprou o clube, em setembro de 2008. Apesar desse montante, os últimos balanços financeiros indicam que a equipe caminha para assumir um modelo sustentável. Em 2010/2011, as perdas foram da ordem de R$ 813,76 milhões. Na temporada seguinte, o prejuízo atingiu R$ 403,38 milhões. Finalmente, em 2012/2013, o rombo caiu para R$ 212,61 milhões.

Essa tendência se manteve na temporada passada, quando houve significativo aumento das receitas, fazendo o clube atingir um faturamento recorde de cerca de R$ 1,430 bilhão, um aumento de 28% em relação ao ano anterior. Os gastos com folha de pagamento também foram reduzidos, embora ainda representem a maior parte dos gastos: de 86% do total arrecadado para 59%.

Para evitar receber novas multas da Uefa, o Manchester City não poderia ter um prejuízo maior do que € 20 milhões na última temporada, uma meta que a diretoria conseguiu cumprir. Para a atual temporada, o clube não pode amargar perdas superiores a € 10 milhões, o que Ferran Soriano, diretor-executivo do time inglês, diz estar confiante em atingir.

“Neste ano, o Manchester City atingiu um novo nível de sustentabilidade financeira. Fizemos um orçamento para termos lucro em 2014/2015, e esperamos entrar na temporada seguinte sem sofrermos sanções ou restrições [de inscrição de atletas]”, contou o executivo.